Negacionistas e policiais entram em confronto durante protesto em Berlim | DW Brasil | Notícias e análises do Brasil e do mundo | DW | 02.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Negacionistas e policiais entram em confronto durante protesto em Berlim

[Vídeo] Milhares de pessoas saíram às ruas de Berlim para protestar contra medidas restritivas de combate à covid-19, apesar de uma ordem judicial proibir os atos devido ao risco de infecções. Houve confrontos entre policiais e manifestantes, e centenas de pessoas foram detidas. A polícia informou que agentes foram "assediados e atacados".

Assistir ao vídeo 02:21

Milhares de pessoas protestaram em Berlim neste domingo (01/08) contra medidas restritivas de combate à covid-19, apesar de uma ordem judicial proibir protestos na cidade devido ao risco de infecções. Houve confrontos entre manifestantes e forças de segurança, e centenas de pessoas foram detidas.

A polícia de Berlim mobilizou mais de 2 mil homens para impedir a realização dos atos, mas afirmou que os agentes que tentaram dispersar os protestos foram "assediados e atacados". As autoridades disseram ainda que mais de 5 mil pessoas participaram dos atos e que mais de 600 pessoas foram detidas.

A Justiça de Berlim confirmou a proibição de 17 manifestações convocadas para este domingo,
a maioria organizada por negacionistas do coronavírus. A justificativa foi que havia risco elevado para a saúde pública, já que os eventos poderiam causar um aumento das infecções com a variante delta, considerada mais contagiosa e violenta.

A Alemanha afrouxou muitas restrições em maio e permitiu a reabertura de restaurantes e bares. Porém, os clientes precisam ter um certificado de vacinação completa ou teste negativo de covid-19 para fazer muitas atividades, como refeições em espaços fechados e pernoites em hotéis. Os números de casos no país seguem baixos em comparação com países vizinhos,
mas a variante delta tem levado a uma alta das infecções nas últimas semanas.