Na reta final, Trump e Hillary miram em estados-chave | Cobertura especial sobre as eleições nos Estados Unidos | DW | 05.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições nos EUA

Na reta final, Trump e Hillary miram em estados-chave

Candidatos republicano e democrata tentam conquistar indecisos nos últimos três dias antes da eleição. Eventos de campanha têm início na Flórida, estado que pode ser decisivo para determinar quem chegará à Casa Branca.

Comício de Hillary em Pembroke Pines, na Flórida

Comício de Hillary em Pembroke Pines, na Flórida

Às vésperas da eleição nos EUA, o republicano Donald Trump e a democrata Hillary Clinton apresentam seus argumentos finais aos eleitores, percorrendo o país na esperança de convencer indecisos. Neste sábado (05/11), eles participaram de eventos paralelos na Flórida, um dos maiores estados sem um favorito claro e que pode ser decisivo no pleito.

Pesquisas de opinião indicam que Hillary mantém a liderança em estados que podem ser críticos para o resultado da eleição, mas sua vantagem em relação a Trump diminuiu após a recente revelação de que o FBI estava investigando novos e-mails dos tempos em que foi secretária de Estado.

Uma pesquisa McClatchy-Marist divulgada neste sábado, realizada com eleitores de todo o país, aponta que Hillary lidera a corrida por apenas um ponto percentual, comparado a seis pontos em setembro. Numa enquete da Reuters/Ipsos, a democrata aparece quatro pontos à frente em âmbito nacional, e cinco pontos à frente na Flórida. Em pesquisas compiladas pelo instituto Real Clear Politics, Hillary aparece em média um ponto percentual à frente de Trump nesse estado.

Hillary Clinton

Em pesquisas compiladas pelo instituto Real Clear Politics, Hillary aparece em média um ponto percentual à frente de Trump na Flórida

Latinos e afro-americanos

Neste sábado, uma das paradas de Hillary na Flórida foi o condado de Broward, ao norte de Miami, onde os latinos e os negros representam 57% da população. A democrata foi apresentada por Sybrina Fulton, mãe do jovem afro-americano Trayvon Martin, cuja morte em 2012 pelos disparos de um guarda branco provocou uma onda de protestos.

Em sua breve intervenção, Hillary encorajou os eleitores da Flórida a irem às urnas neste fim de semana, antes que se fechem os centros eleitorais para a emissão de votos antecipados. A campanha da democrata assegura que já votaram antecipadamente no estado mais latinos que em toda a eleição de 2012.

Trump, por sua vez, iniciou em Tampa, na Flórida, a frenética reta final de sua campanha, durante a qual visitará oito estados sem um favorito claro nas pesquisas. O republicano voltou a pedir aos latinos e afro-americanos que lhe deem uma oportunidade, pois não têm "nada a perder" se ele for presidente, já que os democratas se "esquecem" deles depois de vencer as eleições.

Os latinos e afro-americanos representam 18% e 13% do eleitorado da Flórida, respectivamente. Esses setores do eleitorado – que as pesquisas indicam que apoiam majoritariamente Hillary – podem ser vitais para determinar quem ganhará os 29 votos do colégio eleitoral da Flórida, necessários para que Trump possa alcançar os 270 que levam à Casa Branca.

Donald Trump

Após passar pela Flórida, Trump seguiu para Carolina do Norte, Nevada e Colorado

Estado decisivo

Trump se mostra otimista e afirmou neste sábado que os números na Flórida "parecem bons" e que está confiante de que ganhará nesse estado indispensável. Hillary, por sua vez, poderia chegar à Casa Branca mesmo se perder na Flórida.

A eleição presidencial do ano 2000 foi definida no estado, depois que uma disputa por votos e recontagem das urnas foi levada à Suprema Corte, a qual decidiu em favor do republicano George W. Bush.

Além da Flórida, a agenda de Trump deste sábado inclui os estados de Carolina do Norte, Nevada e Colorado. Depois da Flórida, Hillary segue para a Filadélfia, onde faz uma aparição junto à cantora pop Katy Perry ainda neste sábado.

LPF/rtr/efe

Leia mais