Na Amazônia, avanço da covid-19 e invasões ameaçam indígenas | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 21.04.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Na Amazônia, avanço da covid-19 e invasões ameaçam indígenas

Além do avanço da doença provocada pelo novo coronavírus, população indígena tenta barrar invasões de garimpeiros e madeireiros em territórios. Problemas socioambientais podem agravar efeitos da pandemia na região.

Indígenas korubos na Amazônia

Funai afirmou que usará verba adicional para proteger povos isolados e de recente contato.

Na aldeia São José, no Alto Solimões, Amazonas, indígenas estão assustados com o poder de contágio da covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus. Com 484 famílias, a maioria da etnia kokama, a comunidade tem diversos casos confirmados.

Alguns fazem parte da família de Edinho Kokama, liderança local. "Está muito difícil", diz à DW Brasil por telefone. "Com a ajuda dos enfermeiros, tentamos isolar as entradas da aldeia para que ninguém de fora entre", fala sobre medidas de prevenção.

Veja o Especial da DW Brasil sobre a Amazônia

Os doentes da região do Alto Solimões são a maioria da lista de 31 casos registrados entre indígenas até esta terça-feira (21/04). A pandemia provocou, até então, sete mortes, segundo a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). Um outro óbito suspeito aguarda a confirmação. A vítima era um enfermeiro da etnia baniwa e havia denunciado, pelas redes sociais, a falta de testes para covid-19 e o colapso dos hospitais.

Para o Ministério da Saúde, no entanto, são três mortes confirmadas entre indígenas. A metodologia de contagem é motivo de controvérsia: o órgão considera como pacientes indígenas de covid-19 apenas aqueles que residem nos territórios. Os que moram em áreas urbanas ficam de fora dessa lista.

"Isso é racismo. Não deixamos de ser indígenas porque moramos na cidade", critica Nara Baré, à frente da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab).

Nos territórios, devido à falta de estrutura para atendimento dos serviços de saúde e de materiais básicos, como sabão e máscaras, o esforço se concentra no isolamento social. A estratégia, no entanto, é como uma agressão ao modo tradicional de viver nessas comunidades. Na cultura indígena, membros de famílias numerosas costumam dividir a mesma habitação, as refeições são compartilhadas, e todos trabalham juntos nos roçados e na confecção de artesanatos.

"Por causa do isolamento, não saímos mais para a roça", explica Edinho. "A gente precisa de apoio."

Na aldeia vizinha, a Betânia, do povo tikuna, mais de 3 mil indígenas se protegem como podem. Caso o vírus passe a circular nos territórios, o resultado seria trágico. "Se a pandemia se alastra, será um massacre total", afirma Baré.

A comunicação com as lideranças espalhadas pela Amazônia, feita via rádio na maioria das vezes, tem sido complexa nestes dias de pandemia. A preocupação extrema com o cenário tem custado noites de sono, conta Baré.

"Não somos coitadinhos, mas estamos em situação de vulnerabilidade por causa do nosso histórico", pontua. Desde a chegada dos europeus no país, as doenças trazidas por não indígenas resultaram em mortes. A falta de imunidade natural a vírus e bactérias que provocam gripe, sarampo, coqueluche, tuberculose, varíola e sífilis provocou o desaparecimento de sociedades inteiras.

Invasões na era da pandemia

Para muitas lideranças indígenas, as invasões "modernas", da atualidade, trazem o mesmo risco. "Como medida de contenção contra a covid-19, nós pedimos a retirada imediata de todos os invasores, missionários, grileiros, garimpeiros, madeireiros, porque eles são vetores de transmissão", diz Baré.

O clamor dos indígenas parece ter provocado efeito contrário. Em alguns territórios, lideranças denunciam o aumento de invasores. Fontes ouvidas pela DW Brasil infiltradas em grupos de conversas de infratores ambientais dão conta de que existem várias ações ilegais previstas em terras indígenas para as próximas semanas, quando a temporada de chuvas na Amazônia termina.

No território ianomâmi, que ocupa parte dos estados de Amazonas e Roraima, o garimpo ilegal não para de crescer. "São mais de 25 mil garimpeiros. Eles já vêm com ameaças de morte pra cima da gente, arma de fogo, matam nossos rios. E agora trazem essa doença", comenta Dario Kopenawa Yanomami. "A gente precisa de ação de verdade. As operações que aconteceram até agora só espalharam os garimpeiros. Eles ainda estão aqui."

As críticas à demora da Fundação Nacional do Índio (Funai) para agir vêm de todos os lados. "Praticamente, a Funai se ausentou totalmente. A iniciativa de isolar os territórios para conter a covid-19  foi dos próprios indígenas", diz Antônio Eduardo de Oliveira, secretário executivo do Conselho Indigenista Missionário (Cimi).

Em resposta, a Funai informou que recebeu 10,8 milhões de reais adicionais, que serão usados na compra de alimentos para comunidades em extrema vulnerabilidade social e na proteção de povos isolados e de recente contato.

Em condição de anonimato, servidores do órgão alegam que a falta de um esforço coordenado do governo brasileiro ameaça a existência de muitos indígenas. "Isso reflete a postura de todo o governo. Eles são anti-indígenas por convicção. A chefia da própria Funai foi colocada pela bancada ruralista e tem um posicionamento alinhado à presidência da República", disse a fonte à DW Brasil.

Mapa de risco

A preocupação também é notável entre cientistas. Num artigo assinado por pesquisadores ligados à Coalizão Ciência e Sociedade, o "grande vazio" de infraestrutura médico-hospitalar é apontado, entre outros, como fator de perigo. 

"A maior região brasileira (Norte) conta com a menor proporção de hospitais do país, tanto de pequeno porte (10% do total) quanto centros de alta complexidade (8%)", diz o texto, que tem a cientista Mercedes Bustamante, da Universidade de Brasília, entre os autores.

Tiago Moreira, antropólogo do Instituto Socioambiental (ISA), trabalha em parceria com pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) num mapa de risco indígena em relação à pandemia.

"Indígenas nas cidades, provavelmente, serão os mais atingidos. Eles vivem nas periferias, sob condições sanitárias precárias, como é o caso das cidades amazônicas", comenta Moreira. Só em Manaus, capital do Amazonas e cidade que concentra a maioria dos casos de covid-19 no estado, vivem cerca de 30 mil indígenas.

O mapa, em fase final de elaboração, desenha um cenário crítico. "A gente acredita que a presença de atividades ilegais pode agravar essa situação. Terras com muitos problemas socioambientais podem ser as mais atingidas, como a ianomâmi, assim como territórios no entorno de Manaus, onde houve uma explosão de casos", antecipa.

De sua casa, Edinho Kokama diz aguardar dias mais difíceis pela frente. "Estou com 53 anos, nunca vi isso na minha vida. A doença está no meu povo, na minha família, e não posso visitar ninguém. Estou muito triste e preocupado", diz.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais