Número de casos de covid-19 no Brasil é 15 vezes maior que o oficial, diz estudo | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 14.04.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Número de casos de covid-19 no Brasil é 15 vezes maior que o oficial, diz estudo

Pesquisadores estimam que casos de coronavírus passavam de 313 mil até 11 de abril, data até a qual o governo contabilizou 20,7 mil infecções. Baixa quantidade de testes realizados está por trás da subnotificação.

Pessoas de máscara em São Paulo

Segundo pesquisadores, mais de 90% das infecções são subnotificadas

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de Brasília (UnB) afirmam que a subnotificação de casos de covid-19 no Brasil faz com que o número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus no país seja bem maior do que o divulgado pelo Ministério da Saúde. 

Uma análise apresentada nesta terça-feira (14/04) pelo portal Covid-19 Brasil, que reúne cientistas e estudantes das duas universidades e de outras instituições de pesquisa, afirma que o total de infecções no país seria de mais de 313 mil, bem superior aos dados mais do Ministério da Saúde, que contabilizou 23.430 casos até esta segunda-feira.

A análise de modelagem numérica apresentada pelo portal revela que até o dia 11 de abril haviam 313.288 pessoas infectadas, número 15 vezes maior do que os dados oficiais para a mesma data, que eram de 20.727.

"Considerando a quantidade de 1.124 óbitos no dia 11/04, temos o valor ajustado estimado de população infectada, de 10 dias antes, do dia 01/04, de 104.368 pessoas, comparado aos 6.836 casos notificados tínhamos um percentual de 93,45% de subnotificação. Ao projetar o número de óbitos para o dia 21/04, obtemos o valor projetado estimado de população infectada do dia 11/04/2020 de 313.288, comparado à quantidade de notificados para o dia 11/04 de 20.727, temos 93,36% de subnotificação", afirma o estudo divulgado no portal.

Apesar de ser o 14º país mais afetado pela pandemia, o Brasil está entre as nações que realizam menos testes em sua população. Se fosse levado em conta o número de casos subnotificados, o Brasil seria o segundo país mais afetado no globo, atrás apenas dos Estados Unidos. 

Os EUA testam 8,86 pessoas por milhão de habitantes, segundo dados do projeto Our World in Data, ligado à Universidade de Oxford e financiado pela Fundação Bill e Melinda Gates. No Brasil, esse número é de apenas 296, segundo levantamento do jornal O Globo.

Para calcular o total de subnotificações das infecções no Brasil, os pesquisadores usaram como base de cálculo o número de mortes notificadas. Apesar de também haver subnotificação dos óbitos, este ainda é o indicador mais consolidado no país, segundo afirmou o pesquisador da USP Rodrigo Gaete ao Globo.

Os pesquisadores aplicaram a taxa de letalidade da Coreia do Sul e ajustaram os dados à pirâmide etária do Brasil. O país asiático foi escolhido como modelo por ser um dos poucos a possuir dados consolidados sobre os testes em massa, realizados desde o surgimento dos primeiros casos.

A modelagem numérica empregou ainda um ajuste no cálculo da mortalidade proposto por cientistas chineses na revista The Lancet, a partir de um deslocamento temporal entre o registro de óbitos e a confirmação de casos, "ajustado para o Brasil a 10 dias, dado que os testes têm sido realizados já em processo de agravamento da doenças e não nos sintomas iniciais", segundo o estudo. Nesse cenário, a taxa de mortalidade real para o Brasil seria de 1,08%, bem abaixo dos 5,7% registrados oficialmente.

"O número de mortos ainda assim é enorme, e deve ser ainda maior, porque o número real de infectados é muito grande", afirmou Gaete ao Globo.

Outro estudo realizado pelo Núcleo de Operações e Inteligência em Saúde (NOIS), formado por cientistas da PUC-RJ e dos institutos Fiocruz e D'or, afirma que o Brasil pode ter tido até a última sexta-feira mais de 235 mil casos, número 12 vezes maior do que os divulgados pelo Ministério da Saúde.

Segundo os pesquisadores do NOIS, a taxa de notificação no Brasil é de apenas 8% dos casos reais de contaminação, o que prejudica uma melhor avaliação da necessidade de recursos hospitalares no país, como ventiladores médicos, leitos de UTI, entre outros.

RC/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais