″Mutações podem destruir nossas conquistas″, diz Merkel | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 11.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

"Mutações podem destruir nossas conquistas", diz Merkel

Apesar de tendência de queda nos números da covid-19, chanceler federal defende decisão de prorrogar o lockdown em vigor na Alemanha devido ao perigo representado por variantes do coronavírus.

Angela Merkel

Merkel: "Eu não acredito que esse vai e vem, abre e depois fecha de novo, realmente traga mais previsibilidade para as pessoas"

A chanceler federal Angela Merkel defendeu nesta quinta-feira (11/02), perante os parlamentares no Bundestag (Parlamento alemão), a decisão tomada pelos governos federal e estaduais de prolongar até 7 de março o lockdown por causa da pandemia de covid-19.

Ela disse concordar com o argumento de que há uma clara tendência de declínio nos números de novas infecções, mas alertou para o perigo representado pelas mutações do novo coronavírus, "que podem destruir todas as conquistas" das últimas semanas.

Merkel lembrou que as variantes do coronavírus são bem mais perigosas e transmissíveis e estão se impondo perante a variante inicial, o que já pode ser confirmado em outros países.

Na Alemanha, já foram registrados casos das variantes identificadas pela primeira vez na Reino Unido, na África do Sul e no Brasil, disse.

Assistir ao vídeo 02:38

"Questão de tempo para as variantes eliminarem o coronavírus original"

"Eu não acredito que esse vai e vem, abre e depois fecha de novo, realmente traga mais previsibilidade para as pessoas do que esperar mais alguns dias", comentou.

Ao mesmo tempo, a chanceler federal reconheceu erros na condução da pandemia. No verão europeu de 2020, uma vida mais ou menos normal voltara a ser normal, lembrou. "Mas não fomos precavidos o suficiente nem rápidos o suficiente", observou.

Segundo ela, o governo deveria ter reagido de forma mais rápida quando as infecções voltaram a subir, impondo logo um lockdown. A explosão no número de infecções que se viu a seguir foi consequência de uma "atitude hesitante" por parte do governo, disse.

Oposição critica

A oposição criticou a gestão da pandemia pelo governo. A líder da bancada do partido populista de direita AfD, Alice Weidel, acusou o governo de agir de forma inconstitucional, de impor amplas restrições às vidas dos cidadãos e criar efeitos colaterais imensuráveis.

O partido A Esquerda e o liberal FDP voltaram a pedir maior participação do Parlamento na tomada de decisões. O presidente do FPD, Christian Lindner, disse que a população aguardava uma abertura maior diante do "imenso desgaste" que o lockdown provoca na sociedade.

Até 7 de março

A decisão de prolongar o lockdown em vigor desde meados de dezembro foi tomada em Berlim, nesta quarta-feira, durante um reunião entre Merkel e os governadores estaduais. O lockdown estava previsto para acabar no próximo domingo.

O principal critério para uma abertura é a incidência semanal de novas infecções. Os governos querem que ela fique pelo menos abaixo de 50 por 100 mil habitantes, de preferência abaixo de 35. O número está em queda na Alemanha já há vários dias, e nesta quinta-feira caiu de novo, para 64 novas infecções por cem mil habitantes.

as/lf (DPA, ARD)

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados