Movimentos migratórios são inevitáveis, diz membro da Cruz Vermelha | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.09.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Movimentos migratórios são inevitáveis, diz membro da Cruz Vermelha

União Europeia se torna fortaleza contra imigração ilegal. Há críticas sobre o tratamento que alguns países-membros dispensam aos estrangeiros. DW-WORLD conversou com a Cruz Vermelha sobre a situação nas Ilhas Canárias.

default

Mais de 8 mil imigrantes foram resgatados na costa das Ilhas Canárias em 2008

Para cruzar o mar, eles chegam a pagar 3 mil euros: uma fortuna na África. Muitas vezes, um vilarejo inteiro poupa dinheiro para que uma pessoa consiga chegar à "terra rica". Quanto menor o custo da viagem, mais pessoas entram no barco, e maior se torna o perigo.

Manuel Sánchez sabe de muitas histórias tristes: ele é o responsável pelas Equipes de Resposta Imediata em Emergência da Cruz Vermelha nas Ilhas Canárias, que, pela proximidade com o continente africano, é um dos principais pontos de entrada de imigrantes ilegais na Europa. A União Europeia se esforça para bloquear suas fronteiras, nas quais homens como Sánchez trabalham diariamente.

DW-WORLD : Nos últimos tempos se tem ouvido muitas críticas, por exemplo, à política migratória da Itália. Sobre a Espanha se ouve menos. Por quê?

Manuel Sánchez : Os espanhóis, e sobretudo os canários, que estão vivendo essa situação de uma forma muito particular, foram imigrantes não faz muito tempo. Eles também tiveram que deixar sua terra por motivos econômicos e isso faz com que, de alguma maneira, eles compreendam e se identifiquem com o destino dessas pessoas.

Como é a assistência oferecida aos imigrantes que chegam à costa das Ilhas Canárias?

Nosso primeiro objetivo é salvar vidas. Se localizamos um barco na água, o principal é, com nossos próprios meios ou com os do Salvamento Marítimo, garantir que a tripulação alcance a costa sã e salva. Uma vez em terra, os imigrantes recebem serviços sanitários, de alimentação e abrigo. Quando todos estão em boas condições, aí ficam sob tutela das forças de segurança.

E a partir desse momento eles ficam a cargo da polícia…

Sim. O que acontece é que algumas dessas pessoas, uma vez detidas e à disposição judicial, são enviadas para Centros de Internamento. Nos CIs, a Cruz Vermelha colabora por meio de psicólogos, assistentes sociais, intérpretes, e continua com o tratamento médico e sanitário.

Flüchtlinge aus Afrika auf dem Weg nach Teneriffa Spanien

Vilas inteiras juntam dinheiro para que uma pessoa tente entrar na Europa

Esses Centros de Internamento, como o que existe na ilha italiana de Lampedusa, também têm sido objeto de muitas críticas. Qual é a situação na Espanha?

Nos Centros de Internamento, as diferentes administrações tentam prestar a melhor ajuda e o melhor serviço nas melhores condições possíveis, e na Cruz Vermelha tratamos de contribuir também com o que podemos.

As melhores condições possíveis são também condições dignas?

A intenção é que sejam dignas. Mas tentar julgar a situação concreta de cada centro é algo que foge às nossas possibilidades.

Mas vocês têm acesso a esses centros e sabem se neles se tratam bem os imigrantes ou não…

Posso dizer que nós nunca tivemos nenhum problema. Ao contrário: as forças de segurança e o pessoal da administração têm feito sempre tudo o que está em suas mãos para nos apoiar no trabalho com os imigrantes.

A União Europeia tem apresentado, já há muitos anos, medidas contra a imigração ilegal. Quase sempre são fundos destinados a financiar repatriações, programas de treinamento para a guarda costeira ou criação de patrulhas navais comuns. Essa é a política correta?

Para poder ajudar os imigrantes, a Cruz Vermelha recebe contribuições financeiras e logísticas do governo espanhol e da União Europeia. Nós, que realizamos o trabalho na praia e de atenção continuada aos imigrantes em terra firme, não poderíamos fazer nosso trabalho sem esses recursos.

Mas se pode combater a imigração ilegal simplesmente com o chamado "bloqueio de fronteiras"?

Os movimentos migratórios são inevitáveis. O ser humano migra para melhorar suas condições de vida. A partir de diferentes administrações se está levando a cabo um trabalho notável: existem importantes projetos europeus em curso, tanto nos pontos de chegada quanto de partida. Mas a imigração é algo natural que vai continuar.

Quantos imigrantes chegam por ano às Ilhas Canárias?

Em 2008 foram mais de 8 mil, e de janeiro até agora já foram 1.839. Houve uma redução de quase 70%, mas é preciso destacar que o número de pessoas desaparecidas no mar é desconhecido.

Immigrant auf den Kanarischen Inseln

Cruz Vermelha oferece apoio psicológico a imigrantes que serão repatriados

Uma queda de 70% é bastante significativa. A que ela se deve?

As causas são múltiplas. Uma delas é o sistema de controle de fronteiras, que está salvando muitas vidas ao evitar que essas pessoas se lancem ao mar por países como a Mauritânia, mas ao mesmo tempo isso está provocando um aumento da imigração através do norte da África, com o objetivo de entrar na Europa pelo sul do continente.

Também conta o fato de que nos últimos tempos o governo espanhol tem realizado um importante esforço diplomático, e hoje existem tratados de cooperação com quase todos os países emissores de migrantes. O percentual de repatriações é bastante elevado, e isso faz com que algumas pessoas desistam da viagem. Além do mais, há a influência do trabalho informativo que se desenvolve nos países de origem, e também da crise econômica.

Tudo isso não significa que o problema da imigração diminuiu. Sabemos que está se concentrando um grande contingente para "dar o salto". As pessoas na África querem viver melhor, e a Europa para elas é sinônimo de uma vida melhor.

O que os imigrantes esperam encontrar na Europa?

Eles acreditam que a primeira coisa que vão encontrar ao chegar é um emprego, com o qual pretendem juntar dinheiro para enviar aos familiares e vizinhos que os ajudaram a pagar a viagem. Nos custa muito explicar que, sem uma permissão de trabalho, eles não têm como arranjar emprego. Quando estão aqui já há alguns dias, começam a se dar conta de onde estão, de qual é a situação e de que provavelmente serão enviados de volta aos seus países.

Deve ser muito duro…

Sim, o golpe emocional é tremendo, por isso trabalhamos com psicólogos. Essas pessoas que viveram o estresse de cruzar um deserto durante meses e atravessar o mar durante dias chegam em terra e se dão conta de que todo o esforço, todas as ilusões, tudo o que haviam lhes dito e todo o dinheiro que sua família e seu vilarejo receberiam, tudo isso se perdeu no caminho.

Autora: Luna Bolívar Manaut/FF
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais