Mostra sobre Irmãos Grimm vai além dos contos da carochinha | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 14.07.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Mostra sobre Irmãos Grimm vai além dos contos da carochinha

Projeto do Instituto Goethe correrá o mundo. Bosque virtual de 80 metros quadrados promete destilar o essencial dos contos de fada, assim como redescobri-los em nosso tempo. E, ao fim, terá nascido um novo conto mundial.

+++ Achtung: Nur im Zusammenhang mit dem Interview zu Goethe-Institut Märchen-Projekt verwenden! +++ Märchenwald

Evento reúne tecnologia e fantasia

A gata Borralheira, A Bela Adormecida, Os três porquinhos: na Alemanha, na Europa e muito além, quase todo mundo conhece as narrativas compiladas por Jacob e Wilhelm Grimm a partir do folclore oral. Há 200 anos, os dois irmãos nascidos em Hanau, na região do rio Meno, publicaram sua coletânea de "contos infantis e domésticos", e o Instituto Goethe aproveita a ocasião para lançar uma mostra itinerante. Após a abertura em novembro, em Munique, ela dará a volta ao mundo. Entretanto a exposição se propõe a bem mais do que recordar os velhos contos da carochinha.

O mundo dos contos em 80 metros quadrados

1785 - 1863 Sprach- und Altertumsforscher - mit seinem Bruder Wilhelm (l) Gemälde von Elisabeth Jerichau, 1855 Berlin, Nationalgalerieullstein_high_00033849.jpg

Jacob e Wilhelm Grimm

Um mundo distante com personagens fantásticas, começando com "Era uma vez..." e concluindo com "... e viveram felizes para sempre". Esta é a imagem que a maioria das pessoas faz dos clássicos contos de fada. Porém a mostra itinerante do instituto cultural alemão não se contenta em repeti-los.

Os clássicos dos Irmãos Grimm e seu jubileu histórico são apenas um pretexto, pois a meta é comunicar conteúdos essenciais, explica Robert Müller, diretor de criação da agência facts & fictions, que organizou a exposição.

Trata-se de destilar o que há de genérico na estrutura dos contos de fadas, estabelecer uma espécie de gramática subjacente. Pois toda história precisa de heróis e vilões, vitoriosos e perdedores, personagens boas e malvadas. Por mais fantásticos que sejam, os contos sempre seguem padrões recorrentes. Além disso, ensinam regras claras: no fim, os virtuosos sempre vencem, traição e mentiras são punidas. Na mostra do Instituto Goethe, os conteúdos narrativos são apresentados através de focos temáticos, instalados num bosque artificial, de maneira multimidiática e bem visual, com pouco texto e frases curtas e concisas.

Para abrigar essa ideia e, ao mesmo tempo, criar uma atmosfera propícia, a diretora do projeto, Kristine Klein, criou árvores de fácil execução, a partir de moldes recortados em madeira, encaixados uns nos outros. A fim de que a exposição possa realmente ser levada a todo o mundo, o material tinha que ser extremamente prático, de fácil transporte, resistente ao calor e à umidade elevada. Árvores e equipamento técnico tinham que caber num área de 80 metros quadrados e poder ser transportados em sete caixotes. Ainda assim, a floresta multimídia pesa algumas toneladas.

Conto de fadas mundial

Goethe-Institut Märchen-Projekt

Uma das estações interativas do projeto que dará volta ao mundo

Através de fones de ouvido, a mostra oferece duas modalidades de narração dos contos: uma tradicional e uma em forma de rap. Além disso, diversos jogos ilustram o relato das histórias e as numerosas formas de apresentá-las. Para compreender melhor os cantos da carochinha, Kristine Klein desenvolveu uma teoria de tipos, contendo três figuras boas e três más. A estação dedicada às heroínas, por exemplo, explica a Bela Princesa, a Pobre Menina e a Velha Sábia.

Além disso, procura-se sempre estabelecer a relação com o tempo atual. Afinal de contas, também nos romances fantásticos modernos existem heróis, e a publicidade também recorre ao mundo das fadas. Assim, por exemplo, os cremes antienvelhecimento são, no fundo, uma espécie de poção mágica. Um baú de tesouros, que complementa o bosque de fantasia, contém sugestões para outras analogias e comparações.

A mostra tem um caráter eminentemente educativo, e se presta tanto a apoiar os professores do Instituto Goethe em suas aulas, como a ser explorada pelos visitantes individualmente. Mas, além de proporcionar a oportunidade de escutar, ler e entender melhor as narrativas, diversas estações do bosque convidam o frequentador a inventar seu próprio conto fantástico: através de um iPad instalado sobre um pedestal, todos têm a oportunidade de participar da criação de um conto sem fim.

E assim, o organizador da exposição Robert Müller espera que, ao fim da turnê, tenha nascido um novo conto de fadas mundial.

Maquete do bosque virtual de contos de fadas

Goethe-Institut Märchen-Projekt

Autor: Günther Birkenstock / Augusto Valente
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais