1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
David Sassoli
"Nada é possível sem pessoas, nada é durável sem instituições", disse Sassoli em 2019, citando um dos pais fundadores da UE, Jean MonnetFoto: Julien Warnand/Pool/AP/picture alliance

Morre David Sassoli, presidente do Parlamento Europeu

11 de janeiro de 2022

Social-democrata italiano tinha 65 anos. Após se tornar conhecido como âncora de um dos principais telejornais de seu país, ele conquistou respeito na política da UE, sendo descrito como um grande e apaixonado europeu.

https://www.dw.com/pt-br/morre-david-sassoli-presidente-do-parlamento-europeu/a-60385343

O presidente do Parlamento Europeu, o italiano David Sassoli, morreu nesta terça-feira (11/01), aos 65 anos, após passar mais de duas semanas internado na Itália por complicações derivadas de uma disfunção no sistema imunológico, informou seu porta-voz.

Após contrair uma pneumonia em setembro passado, Sassoli, que era fumante e havia tido leucemia no passado, passou mais de dois meses se recuperando e tinha voltado recentemente à atividade política. Mas em 26 de dezembro foi internado novamente em um hospital italiano por complicações sérias após uma disfunção do sistema imunológico.

O social-democrata, que antes de entrar para a política teve uma longa carreira no jornalismo, foi nomeado presidente do Parlamento Europeu em julho de 2019 e estava na última semana de seu mandato, que acabou sendo dominado pela pandemia de covid-19.

Sassoli conquistou o respeito do parlamento com seu senso de organização, a atenção dada por sua equipe ao trabalho remoto e um sistema remoto de votação. Num sinal de solidariedade durante a pandemia, ele disponibilizou as instalações parlamentares desertas para a preparação de refeições para famílias necessitadas e para a realização de testes de covid-19.

Em dezembro, Sassoli presidiu uma simbólica sessão no Parlamento Europeu que acabaria por ser seu testamento político: a entrega do Prêmio Sakharov, a principal distinção de direitos humanos da União Europeia (UE), para o oposicionista russo Alexei Navalny, representado por sua filha.

"Um grande europeu"

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, lamentou a morte de Sassoli, descrevendo-o como "um grande europeu e italiano".

"David Sassoli era um jornalista apaixonado, um extraordinário presidente do Parlamento Europeu e, sobretudo, um querido amigo. Os meus pensamentos estão com a sua família. Descansa em paz, caro David", escreveu Von der Leyen no Twitter.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, também manifestou sua comoção, chamando Sassoli de um "sincero e apaixonado europeu". "Sentimos falta do seu calor humano, da sua generosidade, da sua simpatia e do seu sorriso. Sinceras condolências à sua família e amigos", tuitou.

Nascido em Florença, Sassoli também era muito respeitado em seu país natal. O ex-primeiro-ministro, amigo de longa data e atual líder do Partido Democrático da Itália, Enrico Letta, elogiou a "generosidade extraordinária” de Sassoli, o qual descreveu como um homem de "visão e princípios, teóricos e práticos”.

Outro ex-primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni, de centro-esquerda, classificou a morte de Sassoli de uma "perda terrível”, destacando sua capacidade de liderança, paixão, generosidade e amizade.

Do jornalismo para a política

Antes de entrar para a política, Sassoli estudou Ciências Políticas, atuou como repórter de jornal e de agência de notícias e depois se tornou um conhecido âncora do principal noticiário da emissora de TV RAI, da qual também foi vice-diretor.

Ele foi eleito para o Parlamento Europeu pela primeira vez em 2009, com 400 mil votos impulsionados por sua fama como jornalista, e conquistou mais um mandato em 2014, tendo atuado como vice-presidente da instituição antes de liderá-la.

"Se vocês depositarem sua confiança em mim, lutaremos juntos por um parlamento que seja moderno, mais transparente, ambientalmente correto e mais acessível aos cidadãos", prometeu o italiano antes de ser eleito presidente da instituição em 2019. "Nada é possível sem pessoas, nada é durável sem instituições", acrescentou, citando um dos pais fundadores da UE, Jean Monnet.

Mesmo que muitas vezes ofuscado por Von der Leyen e Michel, Sassoli presidiu uma instituição que, ao longo dos anos, se tornou mais poderosa e fundamental na definição do curso da UE em diversos setores, como economia digital, clima e Brexit.

No coração da democracia europeia

O Parlamento Europeu representa os 450 milhões de cidadãos da EU e define-se como "o coração da democracia europeia". Ele tem mais de 700 membros, eleitos diretamente pelos países que integram o bloco.

Esta é a primeira vez na história do Parlamento Europeu que morre um presidente em exercício. De acordo com o regulamento interno do Parlamento, o primeiro vice-presidente deve atuar como presidente até que um sucessor seja eleito.

A primeira vice-presidente atual é a maltesa Roberta Metsola, do Partido Popular Europeu (democrata cristão/conservador), que já era a favorita para conquistar o posto na próxima terça-feira, quando o Parlamento deverá eleger um novo presidente por ter chegado à metade desta legislatura (2019-2024).

Metsola lamentou a morte do colega, afirmando que a Europa perdeu um líder, e a democracia, um campeão. "Sassoli dedicou sua vida para fazer do mundo um lugar melhor e mais justo", disse.

lf (Efe, AP, AFP, Lusa)