Morre aos 117 anos a pessoa mais velha do mundo | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 15.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Saúde

Morre aos 117 anos a pessoa mais velha do mundo

Italiana Emma Morano falece em sua casa na cidade de Verbania, às margens do lago Maggiore, no norte de Itália. Ela era a única pessoa ainda viva a ter nascido no século 19.

Italiana Emma Morano celebra seus 117 anos

Emma Morano por ocasião de seu aniversário de 117 anos, em novembro de 2016

A italiana Emma Morano, a pessoa mais velha do mundo e a única ainda viva a ter nascido no século 19, morreu neste sábado (15/04), aos 117 anos, em sua casa na cidade de Verbania, às margens do lago Maggiore, no norte de Itália.

Em maio do ano passado, aos 116 anos, ela se tornou a pessoa mais velha com idade reconhecida pelo Guinness Book, o livro dos recordes, depois do falecimento da americana Susannah Mushatt Jones, que na ocasião detinha o título e havia nascido quatro meses antes.

Assistir ao vídeo 01:49
Ao vivo agora
01:49 min

Ser vegetariano é saudável?

Emma Martina Luigia Morano nasceu em 29 de novembro de 1899 no município de Civiasco, na região do Piemonte, numa família de pessoas com tradição de serem longevas, já que sua mãe e sua tia superaram os 90 anos e sua irmã Angela chegou aos 100. Ela vivia em Verbania.

Quando perguntada sobre o seu segredo para chegar a essa idade, Emma contava que era evitar remédios, tomar um pouco de grapa e, especialmente, comer três ovos crus por dia.

Em 2011, ela foi distinguida como Dama da Ordem do Mérito da República Italiana, e por ocasião de seu último aniversário, recebeu cumprimentos do atual chefe do Estado, Sergio Mattarella, e do papa Francisco.

"Ela teve uma vida extraordinária. Lembraremos sempre a força de ir em frente, sua atitude combativa diante das adversidades", disse a prefeita de Verbania, Silvia Marchionini.

Marchionini lembrou que Emma teve a coragem de, em 1938, separar-se do marido, que a maltratava, pouco depois de o único filho do casal morrer, aos seis meses, enquanto ela voltava do trabalho. Ela não voltou a se casar.

Segundo suas sobrinhas, as únicas de sua família com vida e que beiram os 70 anos, Emma faleceu tranquilamente em sua cama enquanto dormia.

AS/efe/ap

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados