Morre aos 102 anos arquiteto que projetou pirâmide do Louvre | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 17.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Arquitetura

Morre aos 102 anos arquiteto que projetou pirâmide do Louvre

Nascido na China e radicado nos Estados Unidos, I.M. Pei também é responsável por outras obras mundialmente conhecidas, como a Galeria Nacional de Artes de Washington e o Museu de Arte Islâmica no Catar.

USA I. M. Pei gestorben (picture-alliance/AP Photo/P. Gleizes)

Pei elaborou o projeto da pirâmide em 1984. Em 1989, ela foi aberta ao público

O arquiteto Ieoh Ming Pei, autor do projeto da pirâmide de vidro do Museu do Louvre, em Paris, morreu no início desta semana, aos 102 anos. A morte foi confirmada nesta quinta-feira (16/05) ao jornal The New York Times por um dos filhos do arquiteto, Li Chung Pei, que exerce a mesma profissão do pai.

Conhecido como I.M. Pei, ele nasceu na China em 1917 e, em 1935, se mudou para os Estados Unidos, onde começou a carreira numa imobiliária de Nova York. Conhecido principalmente pela pirâmide do Louvre e pelo Prédio Leste da Galeria Nacional de Arte de Washington, formou-se em arquitetura pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Em 1948, pouco após terminar a pós-graduação em Harvard, foi contratado por William Zeckendorf, um empresário do setor da construção de Nova York.

O arquiteto passou a supervisionar os projetos da empresa de Zeckendorf, Webb & Knapp, que construía arranha-céus. Em 1955, criou a própria companhia, I.M. Pei & Associates, que inicialmente se dedicava a projetos do empresário.

A partir de 1960, Pei, conhecido pela personalidade discreta, mas competitiva, começou a ganhar importantes concursos para projetar, por exemplo, o Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica do Colorado (1967), assim como o Museu de Arte de Everson, em Syracuse, no estado de Nova York, e o Centro de Arte Des Moines, em Iowa, ambos em 1968. Estes foram os primeiros de vários museus. Um dos últimos foi o de Arte Islâmica de Doha, no Catar, projetado em 2008.

Para a tarde desta sexta-feira estava marcada uma reunião dos funcionários do Louvre para homenagear o arquiteto. O presidente-diretor do museu, Jean-Luc Martinez, expressou sua "enorme tristeza".

O projeto mais conhecido de Pei, a pirâmide do Louvre, foi lançado na gestão do presidente François Mitterrand, em 1984, e recebido com muita controvérsia pela ousadia e por o arquiteto não ser francês.

O ministro da Cultura da França na época, Jack Lang, lembra-se dele como um "homem gentil e extraordinário". Para Lang, toda a polêmica envolvendo a pirâmide mostra que "você nunca deve ter medo de ser audacioso porque, no final, quando se aposta em inteligência e beleza, é um sucesso". A pirâmide de 21 metros do Louvre foi aberta ao público há exatos 30 anos, em 1989.

Em 1983, Pei ganhou o prêmio Pritzker, o mais importante da arquitetura mundial, e usou o valor recebido de US$ 100 mil para iniciar um programa para que chineses aspirantes a arquitetos pudessem estudar nos Estados Unidos.

Pei foi casado com Eileen Loo de 1942 a 2014, quando ela faleceu. O casal teve quatro filhos, dois deles também arquitetos.

Além de museus, o arquiteto assinou os projetos de diversas casas de shows, instituições de ensino, hospitais, prédios comerciais e edifícios públicos, como a Câmara Municipal de Dallas (1977), a Biblioteca John F. Kennedy de Boston (1979), e o Pavilhão Guggenheim do Hospital Mount Sinai de Nova York (1992).

LE/efe/rtr/ap

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais