Moraes manda bloquear redes sociais de Daniel Silveira | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 19.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Moraes manda bloquear redes sociais de Daniel Silveira

Ministro do STF determina suspensão das contas do deputado bolsonarista no Facebook, Instagram e Twitter, argumentando que ele continua a publicar ofensas à Corte da prisão.

O deputado federal Daniel Silveira

Silveira foi preso na terça-feira. Em vídeo, ele atacou ministros do STF e defendeu o AI-5

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta sexta-feira (19/02) o bloqueio das contas do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) no Facebook, Instagram e Twitter. O parlamentar está preso por insultos e ameaças contra juízes do Supremo.

O Facebook e o Instagram já cumpriram a decisão e suspenderam os perfis de Silveira em suas plataformas. O Twitter deve fazer o mesmo ainda nesta sexta-feira.

A decisão de Moraes ocorre um dia depois de a Polícia Federal ter apreendido dois celulares na sala onde o deputado estava preso, na superintendência da corporação no Rio de Janeiro.

Segundo o portal G1, os telefones foram achados dentro de uma bolsa com roupas de Silveira durante uma vistoria, antes de ele ser transferido para o Batalhão Especial Prisional da Polícia Militar. No mesmo dia, Moraes ordenou uma "imediata perícia dos aparelhos".

Ao determinar a suspensão das redes sociais nesta sexta-feira, o ministro argumentou que o parlamentar continuou publicando ofensas ao Supremo mesmo estando preso.

Silveira, que é da base aliada do presidente Jair Bolsonaro, foi detido na noite de terça-feira por agentes da Polícia Federal na cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro.

A prisão foi por flagrante delito por crime inafiançável, e foi determinada de ofício por Moraes, ou seja, sem pedido da Polícia Federal ou da Procuradoria-Geral da República (PGR). Na quarta-feira, o plenário do Supremo ratificou a decisão do ministro e manteve o deputado preso.

A detenção será avaliada também pela Câmara, já que, segundo a Constituição, cabe aos demais deputados decidir sobre a prisão de um colega. A Casa deve analisar o caso nesta sexta-feira, em sessão da qual Silveira participará por vídeo, após autorização de Moraes.

A prisão foi determinada após o deputado publicar um vídeo nas redes sociais em que xingava ministros do STF com palavrões e os acusava de suborno. Na mensagem, ele diz que os juízes "não são bons para nada neste país, não têm caráter, não têm escrúpulos, não têm moral" e "deveriam ser afastados para nomear 11 novos juízes".

Silveira ainda defendeu o AI-5, ato que marcou o início da fase mais repressiva da ditadura militar. A ação, bem como pedir a destituição de ministros do STF, é inconstitucional.

No vídeo, o deputado apenas poupou o ministro Luiz Fux, presidente do Supremo, por "respeitar seu conhecimento jurídico" entre um grupo de "ignóbeis". O vídeo foi removido do seu canal no YouTube por "violar a política da plataforma sobre assédio e bullying".

Alvo de dois inquéritos

Silveira é alvo de dois inquéritos no Supremo, um referente a atos antidemocráticos e outro a propagação de fake news. Moraes é o relator de ambos os casos, por isso cabe a ele tomar decisões no âmbito das investigações.

No primeiro inquérito, o deputado é investigado por alegado financiamento de atos antidemocráticos no ano passado, quando manifestantes apelaram ao fechamento do STF e enalteceram o AI-5.

No âmbito desse inquérito, a PGR apresentou uma denúncia contra Silveira ao Supremo na última quarta-feira. A ação acusa o parlamentar de praticar agressões verbais e graves ameaças contra ministros do STF para favorecer interesse próprio.

Ele também é acusado de incitar ao uso de violência e grave ameaça para tentar impedir o livre exercício dos poderes Judiciário e Legislativo, e de incitar à animosidade entre as Forças Armadas e o Supremo. Os crimes estão previstos no Código Penal e na Lei de Segurança Nacional.

Se a Justiça aceitar a denúncia da PGR, dá-se início a uma ação penal, e o deputado se torna réu. Como ele tem direito a foro privilegiado, o caso é analisado pelo STF.

Silveira é investigado também no inquérito das fake news, que apura a propagação de notícias falsas, ofensas, ataques e ameaças contra ministros do Supremo.

Segundo revelou o jornal Folha de S. Paulo em abril de 2020, os investigadores da Polícia Federal identificaram, no âmbito do inquérito, o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, como um dos líderes de um esquema criminoso de produção e propagação de notícias falsas.

Antes dos inquéritos, Silveira já havia causado controvérsias em 2018 ao quebrar uma placa simbólica em homenagem à vereadora Marielle Franco, assassinada naquele mesmo ano.

ek/lf (ots)