Misereor completa 50 anos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 17.08.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Misereor completa 50 anos

Organização de ajuda ao desenvolvimento da Igreja Católica alemã completa meio século de operações, lutando por manter sua autonomia e concentrando-se em projetos concretos. Mas, desde 1958, muita coisa mudou.

default

Ministra alemã do Desenvolvimento, Heidemarie Wieczorek-Zeul, diante de cartaz da Misereor

No dia 17 de agosto de 1958, o cardeal de Colônia, Joseph Frings, fez um discurso durante uma conferência bispal em Fulda, no qual anunciava uma grande ação contra a pobreza e a lepra no mundo, com base numa passagem do Evangelho de Marcos: "Misereor super turbam", latim para "estou com pena do povo".

Estavam lançadas as bases para a Misereor, organização da Igreja Católica alemã para a ajuda ao desenvolvimento, que completa meio século de existência neste domingo (17/08). São 50 anos de ajuda direta, mas também de muita influência política ao criticar, por exemplo, injustiças do comércio mundial.

Até hoje, a Misereor permaneceu focada na execução de projetos concretos, que desde 1958 já somam 94,5 mil, com um volume de investimento de 5,5 bilhões de euros.

Mais transparência

Se em 1959 a organização recolheu 34 milhões de marcos em doações, no ano passado esse total chegou a 80 milhões de euros. Mas tais doações, das quais a organização em parte depende, já não são mais fáceis de se obter como antes, alerta Martin Bröckelmann-Simon, do departamento de cooperações internacionais da Misereor.

"Por mais que isso pareça muito, ainda somos obrigados a recusar 50% dos pedidos de ajuda que recebemos por não darmos conta", alerta. "Antigamente, podíamos contar que a filiação à Igreja Católica levava automaticamente à contribuição para instituições como a Misereor. Hoje não é mais assim e temos que lutar por doadores, informá-los de nosso trabalho. A transparência e a prestação de contas se tornaram muito importantes."

Logo MISEREOR

Além das doações, hoje uma parcela de 8% do financiamento da Misereor é obtida através do imposto eclesiástico, com o qual as igrejas financiam seu trabalho e suas instituições, e outra de 50% é proveniente do Ministério do Desenvolvimento, que em seu orçamento de 2007 previa 149,4 milhões de euros para as principais Igrejas – a Católica e a Protestante.

Luta para manter autonomia

Desde que foi criada, a Misereor sempre foi capaz de manter sua autonomia, negociando diretamente com seus parceiros em países em desenvolvimento. No entanto, há hoje o receio, dividido com organizações não governamentais de todo o mundo, de que uma possível reforma obrigue qualquer ajuda ao desenvolvimento a ser paga diretamente a um Estado.

Para a Misereor, o controle parlamentar é necessário, mas não deveria atrapalhar os esforços de descentralização em curso em muitas nações em desenvolvimento.

"Uma das lições que aprendemos nos últimos 50 anos é que desenvolvimento não se pode comprar", alerta Bröckelmann-Simon. "Claro que o financiamento é importante. Mas é também preciso assegurar uma certa coerência, a fim de evitar que a política agrária ou comercial anule aquilo que a ajuda ao desenvolvimento construiu com muito esforço."

Leia mais