Milhares protestam na França contra reforma trabalhista | Notícias internacionais e análises | DW | 23.09.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Milhares protestam na França contra reforma trabalhista

Manifestantes tomaram ruas de Paris para se manifestar contra decretos de Emmanuel Macron que flexibilizam a legislação.

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de Paris neste sábado (23/09) para protestar contra a reforma trabalhista do presidente da França, Emmanuel Macron. A manifestação foi organizada pelo ex-candidato à Presidência e líder da esquerda radical do país, Jean-Luc Mélénchon.

A manifestação foi organizada em forma de marcha entre as praças da Bastilha e da República e ocorreu um dia depois de Macron ter assinado uma série de decretos que flexibilizam as relações de trabalho no país.

O líder da extrema-esquerda estava na frente do protesto, ao lado de outros deputados de seu partido, o França Insubmissa. No Twitter, ele publicou uma foto com a mensagem: "Resistência! Bravo para todos os assalariados em luta pelos nossos direitos”.

O protesto, é o terceiro depois dos últimos dias que tiveram como alvo o que chamam de "golpe de estado social”.

Além do França Insubmissa, outras lideranças políticas tomaram parte no protestos, como o candidato do Partido Socialista nas eleições presidenciais, Benoît Hamon, e representantes da direção do Partido Comunista Francês.

A reforma

A reforma visa simplificar as regras trabalhistas para que as empresas possam se ajustar mais rapidamente às oscilações da economia. A meta do governo é diminuir a elevada taxa de desemprego do país, que desde 2010 se encontra pouco abaixo dos 10% – mais que o dobro dos níveis verificados na Alemanha e no Reino Unido e acima da média europeia, que é de 7,8%.

Macron, que assumiu a presidência da França há quatro meses, afirmou que a reforma das leis trabalhistas promove uma "transformação inédita do sistema social" do país e é "indispensável para nossa economia", mas sindicatos alegam que os direitos dos trabalhadores serão reduzidos

Além de trazer "soluções pragmáticas para as pequenas e médias empresas", que "são as que mais geram empregos", os efeitos da nova medida "serão estruturantes sobre o emprego, especialmente para os mais jovens", destacou o presidente.

Sobre as acusações de que a reforma beneficia somente o setor empresarial, Macron garantiu que os decretos "introduzem novos direitos e proteção para os trabalhadores e seus representantes".

 

JPS7efe/afp

 

Leia mais