Merkel quer referência ao cristianismo na Constituição européia | Notícias internacionais e análises | DW | 22.01.2007

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Merkel quer referência ao cristianismo na Constituição européia

Chanceler federal alemã volta a propor menção às raízes cristãs no preâmbulo da Constituição da UE. Proposta é rejeitada por países e organizações que defendem estrita separação entre Igreja e Estado.

Declaração de Merkel reabriu velha discussão

Declaração de Merkel reabriu velha discussão

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, criticou a falta de uma referência a Deus ou ao cristianismo no tratado da Constituição européia. A definição de um cronograma para a aprovação do texto é a principal meta da Alemanha na presidência rotativa da União Européia.

Em entrevista publicada nesta segunda-feira (22/01) pela revista Focus, Merkel pediu uma defesa dos valores cristãos pelos países-membros da UE. "Eu gostaria de ter visto uma menção clara às raízes cristãs [da Europa]", disse.

Segundo Merkel, presidente da União Democrata Cristã (CDU) e filha de pastor luterano, "existe o risco de que, sem essa referência, se perca aquilo que há de determinante do cristianismo para a política do dia-a-dia". Ela lembrou a menção à "responsabilidade diante de Deus e dos seres humanos" existente no texto da Constituição alemã.

Referindo-se às contribuições judaica, cristã e muçulmana à cultura ocidental, Merkel ressaltou, porém, que "a Europa não é um clube de cristãos e, sim, um clube de valores. A Europa precisa estar disposta a lutar por estes valores".

"Não vamos aceitar posições segundo as quais a dignidade humana é violável ou que homens e mulheres devem ter diferentes possibilidades de realização", afirmou. Na opinião de Merkel, a profissão do cristianismo não excluiria ninguém. "Tivemos tanto medo de excluir adeptos de outras religiões que renunciamos à defesa de nossas convicções", afirmou.

Presidente do Bundestag apóia idéia

Die CDU-Vorsitzende Angela Merkel, rechts, spricht vor Beginn der Klausur des CDU/CSU-Fraktionsvorstandes in Berlin am Donnerstag, 13. Oktober 2005, mit dem Abgeordneten Norbert Lammert

Lammert e Merkel querem Deus na Constituição européia

O presidente do Bundestag (câmara baixa do Parlamento alemão), Norbert Lammert, também defende a posição de Merkel. Em palestra a 3300 lideranças cristãs, na última quinta-feira (19/01) em Leipzig, ele disse que "seria uma transgressão à verdade histórica e à retidão intelectual se a Constituição negasse a importante menção às raízes religiosas e culturais da Europa".

Segundo Lammert, sem um mínimo de convicções básicas, não há coesão social. Ele classificou como "cerne da civilização ocidental a ligação entre fé e razão". O preâmbulo do atual texto menciona as "tradições culturais, religiosas e humanistas da Europa".

Igrejas pressionam

O presidente da Conferência dos Bispos Alemães, cardeal Karl Lehmann, saudou o apelo de Merkel. Ele disse à Focus que "a falta de uma menção a Deus na Constituição européia questiona o cristianismo, se ele é suficientemente forte para dar um testemunho intelectual da fé. Se ficasse claro no preâmbulo que também a religião com a respectiva cultura faz parte dos fundamentos da Europa, isso já seria um avanço inicial".

Em nota publicada em 1º de janeiro, quando a Alemanha assumiu a presidência da UE, o Conselho das Igrejas Luteranas na Alemanha (EKD) também reiterou o pedido de uma "referência expressa à responsabilidade diante de Deus e ao significado da tradição judaico-cristã" na Constituição européia.

Críticas

Merkel já havia defendido anteriormente uma referência ao cristianismo, o que divide as opiniões desde o início da elaboração do texto. Os governos da França, da Bélgica e de Luxemburgo, defensores de uma estrita separação entre Igreja e Estado, rejeitam a proposta, que, na opinião de críticos, também dificultaria o eventual ingresso da Turquia (país majoritariamente muçulmano) na UE.

Representantes de várias organizações não cristãs também se opõem à idéia. A União Internacional dos Ateístas e das Pessoas sem Confissão, sediada em Hagen, na Renânia do Norte-Vestifália, manifestou-se preocupada com a nova reivindicação dos políticos alemães.

"Os tempos em que o poder político era baseado na religião passaram. Estados modernos e organizações supranacionais não precisam de um fundamento religioso. Seu fundamento é a vontade do povo, e o fundamento de seus valores é a vontade popular de garantir o respeito a esses valores", afirma a entidade em seu site na internet.

Segundo a Associação dos Humanistas Alemães, como apenas uma parcela mínima da população ainda se considera religiosa, a menção a Deus "não faria sentido, seria anacrônica e discriminaria cidadãos sem convicção religiosa. A cidadania européia fundamenta-se na diversidade cultural, não na convicção religiosa".

Leia mais