Merkel diz não ver solução militar para crise com Coreia do Norte | Notícias internacionais e análises | DW | 11.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Merkel diz não ver solução militar para crise com Coreia do Norte

Chanceler federal alemã afirma que "escalada verbal" entre Trump e Kim Jong-un é resposta equivocada para recentes tensões. Ela defende diplomacia e evita dizer se Alemanha apoiaria os EUA em caso de conflito.

Angela Merkel

Merkel defendeu solução multilateral para tensões

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, afirmou nesta sexta-feira (11/08) que não acredita numa "solução militar" para a crise na península da Coreia e acrescentou que a troca de ameaças entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, nos últimos dias é "equivocada".

Em entrevista coletiva em Berlim, Merkel evitou responder se a Alemanha apoiaria o governo americano em caso de conflito com a Coreia do Norte e defendeu esforços diplomáticos e soluções multilaterais para resolver a crise.

Leia mais: Em caso de guerra, quem apoiaria os EUA?

"Não vejo uma solução militar para este conflito", disse Merkel em resposta a uma pergunta sobre um recente tuíte do presidente americano, Donald Trump, no qual ele voltou a ameaçar a Coreia do Norte.

"As soluções militares estão totalmente preparadas, prontas para o combate, se a Coreia do Norte atuar de forma imprudente. Espero que Kim Jong-un encontre outro caminho", escreveu Trump no Twitter nesta sexta-feira.

"Considero que a escalada verbal seja a resposta equivocada", disse a chanceler ao defender "cooperação estreita" entre os países diretamente envolvidos na crise, como EUA, China, Coreia do Sul e Japão. Ela pediu que o Conselho de Segurança da ONU continue abordando a questão norte-coreana.

Nos últimos dias, o regime norte-coreano ameaçou atacar com mísseis a ilha de Guam, território americano no Pacífico. A declaração foi dada após Trump prometer responder às ameaças de Pyongyang com "fogo e fúria".

Em reação aos recentes disparos de mísseis intercontinentais, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou no último sábado novas sanções à Coreia do Norte – o sétimo conjunto de medidas restritivas da ONU impostas desde que Pyongyang executou seu primeiro teste nuclear, em 2006.

Na segunda-feira, a Coreia do Norte condenou as novas sanções, advertiu que continuará desenvolvendo seu programa nucleare ameaçou se vingar "mil vezes" dos Estados Unidos caso mantenham sua política "hostil" contra Pyongyang.

KG/efe/ap

____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais