Merkel defende que UE fique isenta de tarifas americanas | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 09.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Merkel defende que UE fique isenta de tarifas americanas

Chanceler federal da Alemanha pede diálogo com os EUA após Trump confirmar sobretaxas de importação do aço e do alumínio. Guerra comercial não beneficiaria ninguém, afirma.

Angela Merkel

Merkel: "Buscamos muito conscientes o diálogo"

A chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, criticou nesta sexta-feira (09/03) as sobretaxas de importação do aço e do alumínio adotadas pelos Estados Unidos e defendeu o diálogo para lidar com a questão, assim como uma isenção para a União Europeia (UE).

Após uma reunião com associações líderes da economia alemã, em Munique, Merkel afirmou que vê a imposição das tarifas com preocupação e ressaltou seu total apoio à Comissão Europeia para que se dirija à Organização Mundial de Comércio (OMC) e busque o diálogo com as autoridades americanas e com outros países, como a China.

Leia também: A chantagem de Trump

"Precisamos agora, de preferência, primeiro dialogar. O melhor seria se pudéssemos ficar isentos", acrescentou a chanceler.

Ao ser questionada se temia uma guerra comercial, Merkel afirmou apenas que seu caminho não ajuda ninguém. "Estamos convencidos de que no fim é prejudicial para todos. Ninguém ganharia com uma corrida como esta. E, por isso, buscamos muito conscientes o diálogo", acrescentou.

A chanceler não quis comentar as medidas tarifárias cogitadas pela União Europeia (UE) para responder a Washington. Merkel destacou, porém, que a Alemanha, o lado da Europa, também pode reagir.

Ela lembrou ainda que há um regime de tarifas negociado no marco da OMC e que a Alemanha trabalhou sempre em favor de um tratado de livre-comércio com os EUA e da eliminação de barreiras. A chanceler garantiu que esse deve ser o objetivo.

O presidente dos EUA, Donald Trump, oficializou na quinta-feira as tarifas de 25% nas importações de aço e 10% nas de alumínio, materiais que são essenciais para os setores de construção e manufatura. A medida entra em vigor em 15 dias. México e Canadá foram, por enquanto, excluídos da medida.

O governo americano deixou aberta a possibilidade para países solicitarem isenções, mas não revelou os critérios para a concessão desse benefício. A Casa Branca, porém, disse que a isenção será concedida àqueles que conseguirem resolver a ameaça que suas exportações representam aos EUA. 

A decisão americana revoltou a comunidade internacional. Após o anúncio da taxação na semana passada, vários países disseram que não ficariam de braços cruzados e que estabeleceriam tarifas e barreiras comerciais a produtos dos Estados Unidos. O governo brasileiro afirmou que manterá a preferência pelo diálogo, mas não descartou ações para preservar os direitos e interesses nacionais.

CN/dpa/afp/efe 

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais