Merkel critica novas sanções dos EUA contra Rússia | Notícias internacionais e análises | DW | 16.06.2017

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Merkel critica novas sanções dos EUA contra Rússia

Por meio de porta-voz, chanceler federal alemã afirma que medidas punitivas não podem prejudicar economia europeia. Para Berlim, projeto de lei americano é interferência ilegal na segurança energética da UE.

A chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, criticou o Senado dos Estados Unidos pela aprovação de novas sanções à Rússia. Merkel afirmou que o impacto sobre as empresas europeias seria "desconcertante" e "não pode ocorrer", segundo comunicado do porta-voz Steffen Seibert, nesta sexta-feira (16/06).

"É estranho que, ao sancionar o comportamento da Rússia, levando em conta as eleições nos EUA, por exemplo, que a economia europeia se torne alvo de sanções americanas. Isso não pode acontecer", disse Seibert.

Leia mais: Senado dos EUA aprova novas sanções à Rússia

"Geralmente rejeitamos sanções com efeitos extraterritoriais, que significam um impacto a países terceiros", afirmou o porta-voz. "A decisão do Senado dos EUA levanta para Merkel exatamente as mesmas questões mencionadas por [Christian] Kern e [Sigmar] Gabriel. É, para dizer o mínimo, uma medida peculiar do Senado dos EUA."

Desta forma, Merkel apoia seu ministro do Exterior, Sigmar Gabriel, um dia depois que ele e o chanceler federal da Áustria, Christian Kern, emitiram uma declaração conjunta que criticava a expansão das sanções dos EUA.

As novas penalidades, aprovadas pelo Senado americano nesta quinta-feira, incluem um parágrafo que ameaça punir companhias europeias que avançarem com programas de exportação de energia firmados com a Rússia. Esses incluem o controverso gasoduto Nord Stream 2, que dobraria até o ano de 2019 a quantidade de gás russo vindo à Alemanha por meio do gasoduto Nord Stream 1, que corta o Mar Báltico.

Alemanha e Áustria veem a medida americana como interferência ilegal na segurança energética da União Europeia (UE). "O fornecimento de energia da Europa é uma questão da Europa, e não dos Estados Unidos", afirmaram Gabriel e Kern em comunicado.

Ameaçar empresas europeias "com sanções, caso participem ou financiem projetos de gás natural como o Nord Stream 2 traz um sabor completamente novo e muito negativo para o relacionamento entre Europa e Estados Unidos", lê-se na declaração.

Na quinta-feira, o Senado americano decidiu aprovar, por ampla maioria, um projeto de lei que impõe novas sanções à Rússia devido ao envolvimento de Moscou na Ucrânia e na Síria, além da alegada interferência nas últimas eleições presidenciais nos EUA. O projeto de lei ainda precisa ser aprovado pela Câmara dos Representantes e ser assinado pelo presidente Donald Trump.

PV/afp/dpa/rtr