Mercosul confirma suspensão da Venezuela | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 02.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Mercosul confirma suspensão da Venezuela

Bloco comercial havia notificado país por descumprimento de normas de caráter econômico, político e de direitos humanos. Prazo para regulamentar situação terminou nesta quinta-feira.

Nicolás Maduro, presidente venezuelano

Nicolás Maduro, presidente venezuelano

Os países fundadores do Mercosul – Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai – suspenderam oficialmente nesta sexta-feira (02/12) a Venezuela. O motivo da suspensão é o não cumprimento de obrigações importantes previstas pelo bloco comercial sul-americano, de caráter político, econômico e de direitos humanos. A decisão já começa a valer nesta sexta-feira.

De acordo com comunicado oficial divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores da Argentina, a Venezuela já havia sido notificada sobre a possibilidade de suspensão em setembro deste ano, caso o país não aderisse às "disposições jurídicas" do bloco. O prazo para que o país regularizasse sua situação terminou nesta quinta-feira. "A Venezuela teve quatro anos para incorporar a normativas vigente do Mercosul", afirmou a chancelaria argentina. 

A ministra venezuelana das Relações Exteriores, Delcy Rodríguez, que inicialmente negou o afastamento do país do bloco, afirmou que a Venezuela não foi notificada da suspensão e qualificou essa decisão de "golpe de Estado".

"A Venezuela não foi notificada conforme as normas do Mercosul e, portanto, não podemos dar-nos por notificados do que se pretende fazer, que não é mais que um golpe de Estado no seio do Mercosul, estariam tornando o Mercosul ilegal", disse Rodríguez em declarações a jornalistas em Caracas.

A ministra ressaltou ainda que seu país seguirá sendo Estado membro do bloco, pois garantiu que está respaldado pelas normas e a institucionalidade do Mercosul e pelo direito internacional público.

"Qualquer atuação pelas costas desta legalidade e deste sistema é absolutamente nula, e não tem para nós nenhum tipo de efeito. A Venezuela anuncia que seguirá sendo parte do Mercosul, e seguimos exercendo a presidência temporária deste organismo sub-regional", destacou Rodríguez.

O Mercosul foi fundado em 1991 e aceitou a Venezuela como membro em 2012. Uma das principais obrigações não adotadas pela Venezuela é o Acordo de Complementação Econômica (ACE) 18, que prevê a adoção de tarifa externa comum e a eliminação de barreiras tarifárias entre os países do bloco.

O argumento de Caracas é que a adesão ao ACE era desnecessária, uma vez que o país já mantinha acordos separados com cada um dos membros do bloco. Em novembro, diante da pressão da direção do Mercosul, Caracas baixou o tom e chegou a afirmar que o país estava disposto a aderir ao ACE 18, atendendo aos princípios de "flexibilidade e equilíbrio" que estabelece o protocolo de adequação ao bloco.

O governo do Uruguai afirmou que, se a Venezuela acredita que a suspensão foi ilegal, o país poderá recorrer da decisão junto ao Tribunal de Controvérsias do Mercosul.

NT/efe/abr/afp/ots

 

Leia mais