Memorial judaico em Estrasburgo é derrubado em ato antissemita | Notícias internacionais e análises | DW | 02.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Memorial judaico em Estrasburgo é derrubado em ato antissemita

Monumento marca o antigo local de uma sinagoga destruída por nazistas na Segunda Guerra. Autoridades municipais dizem que foi mais um ato de ódio a judeus, em meio a uma série de outros incidentes recentes na França.

Memorial judaico que marca o local da Antiga Sinagoga de Estrasburgo, destruída por nazistas na Segunda Guerra Mundial

Monumento pesava centenas de quilos e não poderia ser derrubado por uma única pessoa, diz prefeito

O memorial judaico que marca o local da Antiga Sinagoga de Estrasburgo, destruída por nazistas na Segunda Guerra Mundial, foi alvo de um ataque antissemita durante a madrugada, segundo informaram autoridades da cidade no leste da França neste sábado (02/03).

"Um novo incidente de antissemitismo em nossa cidade", escreveu o vice-prefeito de Estrasburgo, Alain Fontanel, no Twitter, ao publicar uma imagem do grande monumento de mármore derrubado ao lado de sua antiga base. "Tristemente, a história se repete."

Em entrevista a uma emissora local, o prefeito Roland Ries reforçou que se tratou claramente de um ato antissemita, provavelmente realizado por um grupo. O memorial "deve pesar 300 ou 400 quilos", disse Ries. "Ele não foi empurrado por uma única pessoa."

A Juventude Hitlerista – instituição obrigatória para jovens da Alemanha nazista, que se organizavam em grupos e milícias paramilitares – saqueou e incendiou a Antiga Sinagoga em setembro de 1940, três meses depois de as forças alemãs terem invadido a França e ocupado grande parte de seu território.

O monumento que marca seu antigo local fica perto de outro memorial, a chamada Avenida dos Justos, que homenageia aqueles que não seguiam a religião judaica, mas que ajudaram a salvar judeus durante a ocupação nazista na França.

"O local é, por si próprio, uma resposta a quem fez esse ato repulsivo, porque simboliza tanto as ações e horrores do regime nazista quanto o poder de resistência do povo francês", escreveu o prefeito Ries no Facebook, antes de se dirigir ao memorial atacado.

As autoridades locais informaram que estão trabalhando com a polícia para localizar os responsáveis pelo incidente o mais rápido possível.

Estrasburgo é a capital da região francesa do Grande Leste, antiga Alsácia. Muito próximo à fronteira com a Alemanha, o município é também sede do Parlamento Europeu.

Suásticas pichadas em lápides de um cemitério judaico perto de Estrasburgo

Em fevereiro, suásticas foram pichadas em lápides de um cemitério judaico perto de Estrasburgo

A região já havia sido alvo de incidentes antissemitas em 19 de fevereiro, quando 96 lápides de um cemitério judaico foram pichadas com suásticas e frases contra judeus no vilarejo de Quatzenheim, próximo a Estrasburgo.

Os casos se somam a uma série de ataques de antissemitismo que vêm sendo registrados na França. Em fevereiro, suásticas foram pichadas em caixas de correios que exibiam o rosto da sobrevivente do Holocausto Simone Veil, uma das personalidades políticas mais reverenciadas do país.

Em outro caso, a palavra Juden (judeus, em alemão) foi escrita em letras amarelas na fachada de uma padaria judaica em Paris, em clara referência ao passado nazista. O memorial ao judeu Ilan Halimi, morto em 2006 aos 23 anos após ser sequestrado e torturado, também foi profanado.

Recentemente, os chamados "coletes amarelos", que ganharam fama ao realizar uma série de protestos contra o governo do presidente Emmanuel Macron, vêm sendo acusados de antissemitismo. Um homem foi preso após uma enxurrada de declarações de ódio contra o filósofo judeu Alain Finkielkraut durante uma dessas manifestações.

A França é o país europeu que abriga a maior população judaica do continente, com cerca de 550 mil pessoas. Dados do governo apontam que as ofensas contra judeus aumentaram quase 74% no país em 2018, saltando de 311 em 2017 para 541 no ano passado. Diante da situação, o governo de Macron anunciou, no mês passado, medidas para combater o antissemitismo.

EK/afp/dpa/dw

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais