″Medidas sobre demarcações indígenas são racistas″, diz relatora da ONU | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 03.01.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

"Medidas sobre demarcações indígenas são racistas", diz relatora da ONU

Em entrevista à DW, relatora especial das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas critica a decisão de Bolsonaro de transferir atribuições à pasta da Agricultura. "É um retrocesso", diz Victoria Tauli-Corpuz.

Em abril de 2018, protesto de indígenas em Brasília pediu respeito à demarcação de terras

Em abril de 2018, protesto de indígenas em Brasília pediu respeito à demarcação de terras

A transferência da responsabilidade pela demarcação de terras indígenas e quilombolas da Fundação Nacional do Índio (Funai) para o Ministério da Agricultura é vista como um retrocesso pela relatora especial da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas, Victoria Tauli-Corpuz.

A decisão do presidente Jair Bolsonaro é parte de uma medida provisória publicada na quarta-feira (02/01), dia seguinte à posse. Pelo Twitter, o chefe de Estado defendeu que é preciso "integrar" os povos indígenas à sociedade brasileira e que "menos de um milhão de pessoas vivem nesses lugares isolados do Brasil, exploradas e manipuladas por ONGs".

Em entrevista à DW, Tauli-Corpuz classificou as declarações do presidente de "racistas e discriminatórias" e alertou: "Entrar em territórios onde indígenas vivem em isolamento voluntário pode levar ao desaparecimento ou ao genocídio desses povos."

Para a ativista filipina, tais ações representam um descumprimento de compromissos internacionais por parte do Brasil, o que pode comprometer inclusive o futuro da Floresta Amazônica. "A demarcação de terras indígenas que incluem florestas é uma das formas mais efetivas de salvar essas florestas e a biodiversidade remanescentes do planeta", observou.

DW Brasil: Em 1º de janeiro, o presidente Jair Bolsonaro assinou uma medida provisória que transfere a responsabilidade pela demarcação de terras indígenas da Funai para o Ministério da Agricultura. Qual é a sua opinião sobre essa medida?

Victoria Tauli-Corpuz: Eu considero isso um retrocesso, já que o Ministério da Agricultura é a pasta que apoia a expansão de áreas de produção de safras agrícolas para exportação e para criação de gado. A transferência de competências anteriormente da Funai para um órgão que tem a função de expandir a agricultura, inclusive para territórios indígenas, terá o potencial de minar o mandato da Funai, que é o de proteger os direitos dos povos indígenas às suas terras e territórios. O que pode acontecer é que o mandato da Funai seja mudado e seus recursos e poderes sejam reduzidos de forma significativa, o que a tornará muita fraca em relação ao desempenho do seu papel de proteger os direitos dos povos indígenas.

Qual deve ser o impacto dessa medida para o futuro da Floresta Amazônica?

Como a Amazônia está entre as áreas com potencial para a expansão agrícola, essa medida significará um aumento não só do desmatamento, mas também do deslocamento dos povos indígenas da Amazônia e das violações dos seus direitos. Isso também vai significar uma redução da capacidade de mitigação da Amazônia contra as mudanças climáticas.

Pelo Twitter, Jair Bolsonaro defendeu que é necessário "integrar" os povos indígenas à sociedade brasileira para permitir a exploração dos recursos naturais de territórios isolados por razões econômicas. O que pensa sobre essa declaração? 

Essa é uma declaração discriminatória e racista que não está em conformidade com as obrigações legais do Brasil segundo leis e padrões internacionais de direitos humanos. A Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), ratificada pelo Brasil, e a Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas afirmam categoricamente que os povos indígenas têm o direito de decidir se desejam ser integrados à sociedade dominante ou manter suas próprias culturas e identidades. O Brasil também aprovou as Diretrizes do Alto Comissariado da ONU para Povos Indígenas em Isolamento Voluntário, que estipulam o direito desses povos de permanecer isolados e não serem contatados. Entrar nos territórios onde os povos indígenas vivem em isolamento voluntário pode levar ao desaparecimento ou ao genocídio desses povos.

Durante a campanha presidencial, Bolsonaro afirmou que, se assumisse o poder, "índio não terá mais um centímetro de terra". Como você vê a deterioração crescente dos direitos dos povos indígenas no Brasil?

Novamente, pronunciamentos como esse violam os direitos dos povos indígenas. Eu seguramente espero que o presidente não faça isso.   

Isso demonstra uma atitude discriminatória contra os indígenas?

Os povos indígenas não têm direitos especiais. São direitos garantidos, precisamente, devido à história de marginalização, discriminação e colonização que eles sofreram. Não é nada especial. Estamos apenas fazendo o que é socialmente justo. Eu não compro o argumento de que os indígenas têm direitos especiais, afinal eles são os que sempre estiveram no território brasileiro. Portanto, eles devem ter a possibilidade de continuar a viver nas terras demarcadas e praticar suas culturas. 

A tentativa é sempre colocar os indígenas numa posição inferior, e fazê-los esquecer quem eles são. Isso é moralmente inaceitável. Todas as pessoas devem ter seus direitos humanos respeitados. Por que indígenas deveriam ser privados de viver em suas tribos? A raiz da tentativa de ruralistas de tomar as terras indígenas é o racismo e a discriminação. Pensar que indígenas não merecem continuar vivendo da forma que vivem e que devem ser incorporados na cultura dominante é negar reconhecer que esses povos sempre estiveram nesses territórios, têm suas próprias comunidades e deveriam continuar a existir lado a lado com o restante da população. A raiz do problema é o interesse das elites políticas no Brasil de tomar os recursos econômicos que ainda existem nos territórios indígenas. Isso tem gerado muita violência, é inaceitável e deve ser condenado.

Seu estudo publicado em julho do ano passado, "Encurralados por áreas protegidas", mostra que os povos indígenas têm um papel fundamental na proteção das florestas e da biodiversidade no mundo. Qual é a importância da demarcação legal de terras indígenas?  

As pesquisas feitas nos últimos anos mostram que, quando as terras dos povos indígenas são demarcadas e os direitos deles a esses territórios são respeitados, a integridade das florestas e da biodiversidade é mantida com mais eficácia. A demarcação de terras indígenas que incluem florestas é uma das formas mais efetivas de salvar as florestas e a biodiversidade remanescentes do planeta. Respeitar e proteger o direito à terra, ao território e aos seus recursos é fundamental para atingir os objetivos das convenções globais em biodiversidade e mudança climática.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais