Mais de 40 países pretendem abandonar combustíveis fósseis | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 18.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Mais de 40 países pretendem abandonar combustíveis fósseis

Compromisso é firmado por grupo de países mais vulneráveis ao aquecimento global, durante conferência da ONU sobre o clima. Objetivo é adotar apenas fontes de energia renováveis o mais rápido possível.

Conferência do clima da ONU em Marrakesh

Conferência do clima da ONU em Marrakesh visa estabelecer detalhes da implementação do Acordo de Paris

Um total de 47 países se prontificou nesta sexta-feira (18/11) a eliminar progressivamente o uso de combustíveis fósseis até sua completa substituição por fontes de energia renovável o mais rápido possível, o mais tardar até 2020. O compromisso foi firmado em Marrakesh, no Marrocos, durante a conferência da ONU sobre o clima (COP 22).

Dos 47 signatários, 43 pertencem ao "Climate Vulnerable Forum" (CVF), que inclui países da África, Ásia, Caribe e do Pacífico Sul. Estes são os mais vulneráveis do mundo às mudanças climáticas, devido ao aumento do nível do mar, secas e tempestades – fenômenos que podem ser agravados pelo aquecimento global.

"Somos pioneiros na transformação rumo a uma energia 100% renovável, mas queremos que outros países sigam os nossos passos a fim de evitar os impactos catastróficos que temos vivido na forma de furacões, enchentes e secas," disse Mattlan Zackhras, ministro-em-assistência do presidente das Ilhas Marshall, cargo equivalente ao de vice-presidente. As Ilhas Marshall são ameaçadas pelo aumento do nível dos oceanos, em parte devido ao derretimento de calotas polares decorrentes do aquecimento global. 

O objetivo da COP 22, que se encerra nesta sexta-feira, é definir os detalhes do Acordo do Clima de Paris, firmado no ano passado. O pacto visa limitar o aquecimento global para "bem abaixo de dois graus Celsius". 

No início desta semana, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), agência da ONU, estimou que o ano de 2016 deverá ser o mais quente que se tem registro. 

IP/dpa/afp

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados