Maduro anuncia criação de ″bitcoin chavista″ | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 03.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Maduro anuncia criação de "bitcoin chavista"

Governo venezuelano vai lançar sua própria criptomoeda, batizada de "petro", para contornar sanções internacionais impostas ao país e a membros do regime. 

Nicolás Maduro

Maduro durante anúncio de criação da "petro", a nova moeda virtual da Venezuela

O presidente Nicolás Maduro anunciou neste domingo (03/12) que pretende lançar uma "bitcoin venezuelana", uma criptomoeda ou moeda virtual. Segundo o mandatário, ela será batizada como "el petro" e será lastreada na riqueza petroleira do país. "O século 21 chegou!", disse o presidente, durante o anúncio. 

Maduro afirmou que a nova moeda virtual será uma forma de contornar as restrições financeiras impostas pelos EUA ao país. Nos últimos meses, os americanos também determinaram o congelamento de bens de diversos membros do governo venezuelano, que são acusados de violar direitos humanos ou de praticarem tráfico de drogas. Outros países, como o Canadá, também adotaram medidas similares.

"Quero anunciar que a Venezuela vai implementar um novo sistema de criptomoeda a partir das reservas de petróleo. A Venezuela vai criar uma criptomoeda, o petro, para avançar em termos de soberania monetária, para fazer suas transações financeiras e vencer o bloqueio financeiro", disse Maduro em seu programa semanal de televisão.

Segundo Maduro, a proposta para a criação da moeda virtual partiu do ministro da Educação Universitária, Ciência e Tecnologia, Hugbel Roa, que deverá assumir a tarefa de disponibilizar o petro.

Muitos venezuelanos já usam algumas criptomoedas, como a bitcoin, para contornar a hiperinflação no país e as restrições oficiais do governo chavista à compra de dólares.

A moeda virtual chavista, no entanto, deve ter várias diferenças básicas em relação à bitcoin, já que vai ser controlada e emitida por um país e será atrelada a um bem físico (reservas de petróleo).

Segundo a agência de notícias Reuters, o anúncio da criação da nova moeda foi recebido com desdém por adversários do governo chavista, que apontaram a falta de credibilidade financeira da Venezuela para garantir o valor de uma nova moeda. Recentemente, a situação financeira do país fez com que governo efetivamente entrasse em processo de calote com credores internacionais.

"Isso é Maduro sendo um palhaço. Isso não tem credibilidade", disse o deputado da oposição e economista Angel Alvarado. "Não vejo futuro nisso", acrescentou o colega legislador da oposição, José Guerra.

A agência também apontou que o anúncio teve o efeito de demonstrar que as sanções americanas têm efetivamente dificultado a capacidade do governo chavista de realizar transferências de valores no exterior.

Maduro não forneceu detalhes sobre quando a moeda vai efetivamente ser colocada em circulação.

JPS/rtr/afp

___________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

 

Leia mais