Macron afirma que Otan está em estado de ″morte cerebral″ | Notícias internacionais e análises | DW | 07.11.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Macron afirma que Otan está em estado de "morte cerebral"

Presidente francês diz que não há uma coordenação entre a Europa e os Estados Unidos e critica ações militares da Turquia, que é país-membro da aliança. Merkel rebate declaração e afirma que Otan é "indispensável".

Frankreich Präsident Emmanuel Macron besucht Militärmanöver (picture-alliance/abaca/E. Blondet)

Macron acompanha manobras militares francesas

Em uma entrevista publicada nesta quinta-feira (07/11) pela revista The Economist, o presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou considerar que a Otan está em situação de "morte cerebral". A opinião foi prontamente rebatida pela chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel.

Macron ainda alertou para a "extraordinária fragilidade" da Europa, que não pode mais contar com os Estados Unidos para se defender, e sugeriu que os governos do continente devem começar a refletir "como uma potência no mundo".

Ele ainda criticou o que diz ser uma falta de coordenação entre a Europa e os Estados Unidos, e condenou as ações agressivas na Síria por parte da Turquia, que detém o segundo maior exército da aliança.

"Não há nenhuma coordenação na tomada de decisões estratégicas entre Estados Unidos e seus aliados da Otan. Nenhuma. Há uma ação agressiva, descoordenada, de outro aliado da Otan, a Turquia, em uma zona em que nossos interesses estão em jogo", declarou Macron.

Ele ainda descreveu como um "pequeno milagre" que, nas últimas sete décadas, o mundo tenha construído "uma equação política sem hegemonia, permitindo a paz".

"Mas agora há uma série de fenômenos que nos coloca à beira do precipício", afirmou Macron, pedindo para que a Europa se mexa e comece a agir "como uma potência, pois, caso contrário, desaparecerá".

O presidente francês afirmou que, em sua opinião, a construção do continente europeu concentrou-se em um alargamento constante, o que significa "um erro profundo, pois reduziu o propósito político de seu projeto desde a década de 1990".

Paralelamente, os EUA, que nas palavras de Macron são "grandes aliados da Europa", começaram a olhar mais para a China, um movimento iniciado no governo de Barack Obama. Mas, de acordo com o mandatário francês, "Donald Trump é o primeiro presidente que não compartilha da ideia do projeto europeu e se afasta dele".

Logo após tomar conhecimento das declarações de Macron, a chanceler federal alemã, que nesta quinta-feira se encontrou em Berlim com o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse não compartilhar da opinião do francês.

"Macron escolheu palavras drásticas, não é a visão que eu tenho da Otan. A Otan é indispensável, devemos tomar em nossas mãos o destino da Europa, mas acredito que a Otan avançou e tem um trabalho muito mais político do que anos atrás", afirmou.

Merkel também reiterou o compromisso de seu país de atingir a meta de dedicar 1,5% de seu PIB com gastos militares até 2024. "Aumentamos significativamente nossas despesas militares e atualmente estamos negociando os orçamentos do ano que vem", disse.

JPS/efe/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais