1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Emmanuel Macron
Macron derrotou a extremista de direita Marine Le Pen no segundo turnoFoto: BENOIT TESSIER/REUTERS
PolíticaFrança

Líderes mundiais saúdam Macron pela reeleição

25 de abril de 2022

Biden destaca aliança de longa data com a França e cooperação na defesa da democracia. Zelenski parabeniza "verdadeiro amigo da Ucrânia". Putin e Xi também cumprimentam o presidente francês. Bolsonaro não se manifestou.

https://www.dw.com/pt-br/l%C3%ADderes-mundiais-sa%C3%BAdam-macron-pela-reelei%C3%A7%C3%A3o/a-61583046

Após a vitória de Emmanuel Macron nas eleições francesas deste domingo (24/04), líderes mundiais parabenizaram o presidente centrista pela reeleição e pela derrota da extremista de direita Marine Le Pen.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou que a França é o mais antigo aliado de seu país e "um parceiro-chave para lidar com desafios globais". "Estou ansioso pela continuação de nossa estreita cooperação – inclusive no apoio à Ucrânia, na defesa da democracia e no combate às mudanças climáticas."

O secretário de Estado americano, Antony Blinken, também saudou Macron, destacando as "longas e duradouras aliança e amizade" entre EUA e França.

Resultado do segundo turno entre Emmanuel Macron e Marine Le Pen

No âmbito da União Europeia (UE), a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, tuitou: "Estou muito feliz por poder continuar nossa excelente cooperação."

"Podemos contar com a França por mais cinco anos", escreveu, por sua vez, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

O chanceler federal da Alemanha, Olaf Scholz, afirmou que eleitores franceses "deram um forte voto de confiança na Europa". "Estou feliz que continuaremos nossa boa cooperação."

O primeiro ministro da Itália, Mario Draghi, também descreveu a vitória de Macron como "uma grande notícia para toda a Europa".

"Os cidadãos escolheram uma França comprometida com uma UE livre, forte e justa. A democracia vence. A Europa vence. Parabéns, Emmanuel Macron", disse o presidente do Governo da Espanha, Pedro Sánchez.

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, chamou a França de "um dos nossos aliados mais próximos e mais importantes" e disse estar ansioso para continuar a trabalhar em conjunto "nas questões que mais importam para os nossos países e para o mundo".

O presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, que conversou com Macron diversas vezes desde que a Rússia invadiu seu país, há dois meses, chamou o presidente francês de um "verdadeiro amigo da Ucrânia".

"Desejo-lhe mais sucesso para o bem do povo [francês]. Agradeço seu apoio e estou convencido de que estamos caminhando juntos para novas vitórias conjuntas", escreveu Zelenski tanto em ucraniano quanto em francês.

De acordo com um comunicado do Kremlin, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, por sua vez, escreveu no Telegram: "Desejo-lhe sinceramente sucesso em suas atividades estatais, bem como boa saúde e bem-estar."

O presidente da China, Xi Jinping, disse que "gostaria de continuar trabalhando com o presidente Macron para manter relações diplomáticas baseadas na independência, compreensão e benefício mútuos", de acordo com a emissora estatal CCTV.     

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, parabenizou seu "amigo" Macron pela reeleição e disse: "Estou ansioso para continuar trabalhando em conjunto para aprofundar a Parceria Estratégica Índia-França."

Tuitando em francês, o primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, escreveu: "Reforçaremos nossa estreita cooperação com o presidente Macron em várias áreas, como a região Indo-Pacífico e a agressão russa contra a Ucrânia."

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, disse estar "ansioso para continuar nosso trabalho conjunto sobre as questões que mais interessam às pessoas no Canadá e na França – desde a defesa da democracia, passando pela luta contra a mudança climática, até a criação de bons empregos e o crescimento econômico para a classe média".

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, ainda não se manifestou sobre a vitória de Macron – seu desafeto e crítico ferrenho da política ambiental de seu governo. Em novembro passado, Bolsonaro classificou de "provocação" o fato de o líder francês ter recebido o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com honras de chefe de Estado.

lf (AFP, ots)