Líder protestante alemã renuncia após escândalo de embriaguez ao volante | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 24.02.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Líder protestante alemã renuncia após escândalo de embriaguez ao volante

Margot Kässmann foi flagrada embriagada ao volante no último sábado em Hannover. Apesar de ter recebido apoio da Igreja Evangélica, líder decidiu abandonar o cargo.

default

Kässmann ocupava o posto desde outubro de 2009

Depois ter sido flagrada dirigindo embriagada, Margot Kässmann, líder da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD), renunciou ao posto nesta quarta-feira (24/02). Apesar de ter recebido o apoio do Conselho da Igreja, a bispa não resistiu à repercussão do caso.

No último sábado (20/02), o veículo de Kässmann foi parado por policiais em Hannover depois de avançar o sinal vermelho. Levada à delegacia da cidade, a bispa foi submetida a um exame de sangue que detectou 1,54 grama de álcool por litro de sangue – o triplo da quantidade permitida, 0,5 grama.

Segundo promotores que acompanham o caso, Kässmann se encontrava "completamente inapta para dirigir". Pelo delito, ela deve perder a carteira de motorista por um ano, além de ter que pagar multa pesada. Depois de o caso se tornar público, a líder religiosa admitiu ser consciente dos riscos de dirigir alcoolizada.

"Estou chocada comigo mesma por ter cometido um erro tão grave", declarou posteriormente jornal alemão Bild, acrescentando que aceitaria as consequências legais da transgressão.

Apoio da Igreja

Depois de ter manifestado apoio à bispa, Günther Beckstein, vice-presidente do Conselho da EKD, lamentou a renúncia de Kässmann. "A decisão é dela, e eu a respeito". E acrescentou: "Mas por mim ela poderia ficar".

Segundo manifestou a liderança da Igreja Evangélica, a bispa recebeu o voto de confiança dos colegas porque, segundo os preceitos religiosos, todos os seres humanos são passíveis de erro, mesmo os que exerçam uma função na Igreja.

Com a renúncia de Kässmann, o Conselho da Igreja Evangélica deve escolher em breve um novo líder. Há chances de que isso ocorra em outubro, quando acontece a próxima reunião do sínodo.

Liderança marcante

Margot Kässmann, 51 anos, era bispa em Hannover e presidente do conselho nacional da Igreja Evangélica, que tem cerca de 25 milhões de seguidores na Alemanha.

Kässmann se tornou a bispa mais jovem da Alemanha ao ser nomeada aos 41 anos, em 1999. Em outubro do ano passado chegou ao topo da Igreja Evangélica alemã e fez história ao ser a primeira mulher a ocupar o posto – mandato que duraria seis anos.

Ela também ganhou notoriedade em 2007 ao se separar do marido, o qual também fazia parte da liderança da Igreja. Kässmann tem quatro filhos e já publicou 30 livros.

NP/edp/ap/dpa/afp
Revisão: Augusto Valente

Leia mais