Kim Jong-un pede desculpa por morte de sul-coreano | Notícias internacionais e análises | DW | 25.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Kim Jong-un pede desculpa por morte de sul-coreano

Funcionário do governo foi morto a tiros e teve seu corpo incendiado após desaparecer de um navio e ser encontrado em águas do norte. Líder norte-coreano qualifica incidente como "vergonhoso".

Kim Jong-un

Kim lamentou por "desapontar o presidente Moon Jae-in e os sul-coreanos"

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, pediu desculpa pela morte de um funcionário da Coreia do Sul nas suas águas territoriais, anunciou nesta sexta-feira (25/09) o gabinete da presidência de Seul.

O pedido foi feito através de uma carta endereçada ao presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, um dia depois que as autoridades sul-coreanas afirmaram que soldados norte-coreanos mataram um funcionário do governo sul-coreano e, em seguida, atearam fogo ao corpo dele

Segundo as autoridades em Seul, o homem, de 47 anos, desapareceu na segunda-feira de um navio de patrulha do Ministério dos Oceanos e da Pesca que verificava se ocorria pesca irregular em águas do sul, perto da ilha de Yeonpyeong, um dia antes de ser encontrado do lado norte da divisa.

A Coreia do Norte enviou agentes de fronteira, usando máscaras de gás e a bordo de um bote, para as proximidades de onde o homem estava, nesta terça-feira, para interrogá-lo. Mais tarde, um bote da marinha norte-coreana foi até o local, e militares dispararam contra ele, segundo o Ministério da Defesa da Coreia do Sul.

Depois, marinheiros vestindo roupas de proteção e máscaras de gás jogaram gasolina e atearam fogo ao corpo, relatou o ministério, afirmando que a ação foi gravada por câmaras de vigilância.

Na carta, a Coreia do Norte admite que foram disparados cerca de dez tiros contra o homem, que "entrou ilegalmente em nossas águas" e se recusou a fornecer a identificação adequada. Posteriormente, seu corpo foi aparentemente cremado como medida de precaução contra a pandemia de coronavírus.

De acordo com a agência noticiosa da Coreia do Sul, Yonhap, Kim qualificou o incidente como "um caso vergonhoso" e pediu desculpa por "desapontar o presidente Moon Jae-in e os sul-coreanos".

As relações entre as duas Coreias continuam tensas, em especial após o impasse nas negociações nucleares entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos.

Pedidos de desculpas do regime norte-coreano são extremamente raros.

O incidente havia estremecido ainda mais as relações já tensas entre os países vizinhos. As tensões aumentaram significativamente desde o fracasso de uma reunião de cúpula entre Kim Jong-un e o presidente dos EUA, Donald Trump, em fevereiro do ano passado. Desde então, as negociações entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte sobre o desmantelamento do programa nuclear norte-coreano estão suspensas.

MD/afp/rtr/lusa

Leia mais