Justiça da UE declara lei de Orbán contra ONGs ilegal | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 18.06.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Justiça da UE declara lei de Orbán contra ONGs ilegal

Máxima corte europeia considera que lei húngara que restringe financiamento estrangeiro a organizações não governamentais viola princípios do bloco. Críticos do premiê dizem que legislação é feita para atingir Soros.

Viktor Orbán

Viktor Orbán: nacionalista tenta silenciar ONGs

O mais alto tribunal da União Europeia declarou nesta quinta-feira (18/06) como ilegais as restrições impostas pela Hungria ao financiamento de ONGs com dinheiro vindo do exterior.

A decisão é um revés para o primeiro-ministro, o nacionalista Viktor Orbán. A lei, assinada por ele em 2017, era largamente vista como uma medida para tentar silenciar vozes críticas num governo cada vez mais autoritário.

O Tribunal de Justiça da UE concluiu que as restrições impostas pela Hungria ao financiamento das organizações civis por parte das pessoas estabelecidas fora do país são "discriminatórias e injustificadas" e contrárias ao direito do bloco, dando razão à Comissão Europeia no processo de infração contra Budapeste.

 "Ao ter imposto obrigações de registro, de declaração e de publicidade a certas categorias de organizações da sociedade civil que se beneficiam direta ou indiretamente de uma ajuda proveniente do estrangeiro excedendo um determinado limite e ao prever a possibilidade de aplicar sanções às organizações que não respeitem estas obrigações, a Hungria introduziu restrições discriminatórias e injustificadas em relação tanto às organizações em causa como em relação às pessoas que lhes concedem tal ajuda", diz um comunicado da corte.

Críticos de Orbán dizem que a lei é feita sob medida para atingir o bilionário americano George Soros, um empresário nascido na Hungria que financia causas de apoio à democracia e aos direitos humanos em todo o mundo. Orbán acusa repetidamente organizações financiadas por Soros de ingerência política.

A chamada "lei da transparência" foi adotada em 2017 e obrigava o registro, junto aos órgãos judiciários húngaros, das ONG que recebem apoio de entidades de fora do país e exigia a indicação do doador se o montante fosse de pelo menos 1.400 euros.

A informação recolhida é depois publicada numa plataforma eletrônica pública, sendo que as organizações que recebem os apoios têm de indicar nos respectivos sites que recebem "ajuda proveniente do estrangeiro".

Bruxelas considerou que a "lei da transparência" contraria o direito de liberdade e circulação de capitais, o direito ao respeito pela vida privada, à proteção dos dados pessoais e à liberdade de associação.

Para o tribunal da UE, a lei baseia-se sobretudo na presunção de que qualquer financiamento estrangeiro das organizações da sociedade civil é intrinsecamente suspeito. 

O tribunal concluiu que as restrições que decorrem da lei não são justificadas e, por conseguinte, que a Hungria não cumpriu as obrigações que lhe incumbem dentro da legislação da UE. 

RPR/ap/dpa/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais