Juristas processam UE por mortes de migrantes | Notícias internacionais e análises | DW | 03.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Juristas processam UE por mortes de migrantes

Advogados pedem ao TPI que abra uma investigação contra líderes e autoridades do bloco por crimes contra a humanidade. Grupo denuncia políticas migratórias europeias com "intenção de sacrificar vidas humanas".

Embarcação de migrantes próximo à costa da Líbia

Embarcação de migrantes próximo à costa da Líbia

Um grupo de advogados internacionais pediu nesta segunda-feira (03/06) ao Tribunal Penal Internacional (TPI) que chefes de governo e altos funcionários de Estados-membros da União Europeia (UE) sejam processados judicialmente por crimes contra a humanidade, em razão das milhares de mortes de migrantes que tentavam atravessar o Mar Mediterrâneo rumo ao continente europeu.

O grupo de juristas com base em Paris apresentou à procuradora-geral do TPI, Fatou Bensouda, um documento de 245 páginas com a denúncia. Segundo os advogados, foram fornecidas "provas suficientes que implicam a UE, autoridades dos Estados-membros e agentes em crimes contra a humanidade cometidos em cumprimento de políticas migratórias da UE no Mediterrâneo e na Líbia" desde 2014.

O documento afirma que mais de 40 mil pessoas foram interceptadas no mar e levadas a campos de detenção e a câmaras de tortura sob a legislação europeia.

Na ação, os advogados mencionam documentos da UE e declarações da chanceler federal alemã, Angela Merkel, do presidente francês, Emmanuel Macron, e de outros membros do alto escalão do bloco para afirmar que as autoridades sabiam ser responsáveis por mortes de migrantes no mar e em terra.

O texto denuncia uma prática amplamente disseminada de tortura e estupros por agentes da guarda costeira da Líbia, treinada e financiada à custa dos contribuintes europeus. A ação não cita nominalmente nenhum alto funcionário da UE, mas menciona uma investigação em andamento no TPI sobre o destino dos migrantes na Líbia.

Mais de 12 mil pessoas morreram desde 2014 tentando fugir da Líbia para a Europa, naquela que o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur) considera a "travessia marítima mais mortal do mundo".

Os advogados afirmam que, no intuito de manter a segurança das fronteiras europeias, a UE lançou mão de "políticas migratórias baseadas na dissuasão com a intenção de sacrificar as vidas de migrantes em perigo no mar". O único objetivo seria "dissuadir outros em situação semelhante de buscarem porto seguro na Europa".

Segundo os juristas, quando essa política fracassou após o trabalho de resgate levado a cabo pelas ONGs, a UE adotou uma segunda estratégia ao empregar a guarda costeira líbia para interceptar e enviar os migrantes de volta a instalações no país do Norte da África.

"Ficou perfeitamente claro que eram pessoas acusadas de crimes de guerra, crimes contra a humanidade, e que a UE financiou voluntariamente esses indivíduos", afirmou o advogado Juan Branco, que integra o grupo.

"Ao invés de imediatamente resgatar e trazer a população civil em perigo no mar para a segurança, a UE facilitou a morte de milhares por afogamento, antes de introduzir um sistema compreensivo de deportação forçada para campos que se assemelham aos de concentração."

O TPI recebe todos os anos denúncias semelhantes e pedidos de investigação. Caberá aos promotores decidir se o caso será investigado e, eventualmente, levado adiante no tribunal.

RC/afp/ap 

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais