João Amoêdo declara maior patrimônio entre presidenciáveis | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 14.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Eleições 2018

João Amoêdo declara maior patrimônio entre presidenciáveis

Candidato do partido Novo possui mais de R$ 400 milhões em bens e é, até o momento, o mais rico entre os postulantes à Presidência da República.

João Amoêdo é candidato a presidente pelo partido Novo

João Amoêdo é candidato a presidente pelo partido Novo

O prazo final para o registro de candidaturas termina nesta quarta-feira (15/08), e a campanha eleitoral começa oficialmente no dia a seguir. Até esta terça-feira, seis dos 13 candidatos à presidência e seus respectivos vices já haviam se registrado junto ao Tribunal Superior Eleitoral.

No momento do registro, os postulantes precisam entregar uma lista de declaração de bens. Somado, o patrimônio de cinco deles representa apenas 0,6% do declarado por João Amoêdo, o candidato mais rico da corrida presidencial. Três possuem mais de R$ 1 milhão em bens.

Amoêdo, que concorre pelo Novo, declarou R$ 425 milhões em patrimônio. Pouco mais da metade do valor, R$ 217 milhões, está investido em renda fixa. Formado em Engenharia, ele é um dos fundadores do partido pelo qual concorre, registrado apenas em 2015 pelo TSE, apesar da data de fundação ser 2011. Natural do Rio de Janeiro, ele fez carreira em bancos, atuando no alto escalão do Itaú e do Unibanco. Seu vice, Christian Lohbauer, também declarou patrimônio milionário, de pouco mais de R$ 4,1 milhões.

Entre os vices, a lista mais volumosa de bens pertence à senadora gaúcha Ana Amélia Lemos (PP), da chapa de Geraldo Alckmin (PSDB): R$ 5,1 milhões. Logo após Lohbauer, desponta a também senadora Kátia Abreu (PDT), que faz dobradinha com o colega de partido Ciro Gomes. Ela declarou R$ 2,6 milhões.

A análise da ficha de registro dos candidatos permite ainda perceber o crescimento patrimonial que obtiveram nos últimos anos. O de Alckmin cresceu 29%. Nas eleições de 2014, quando concorreu ao governo de São Paulo, ele havia declarado R$ 1,06 milhão. Em 2018, o valor é de R$ 1,3 milhão. Já no caso de Ana Amélia, o patrimônio aumentou em mais de 100%. Nas eleições ao governo estadual, quando foi derrotada nas urnas no Rio Grande do Sul, a senadora havia declarado bens no valor de R$ 2,5 milhões.

O patrimônio de Ciro pulou de R$ 426 mil em 2006, última vez em que ele disputou um cargo eletivo, para R$ 1,6 milhão. Já a vice da chapa pedetista tem uma maior discrepância nas declarações de bens entre os candidatos. No registro feito na última sexta-feira, 10 de agosto, Kátia Abreu declarou possuir R$ 2,6 milhões, entre imóveis, um terreno e participações societárias. Nas eleições suplementares de Tocantins, realizadas em junho e na qual ela concorreu à governadora, sua lista de bens somava R$ 3,8 milhões. Em 2014, quando postulou ao cargo de senadora pelo mesmo estado, informou R$ 4,1 milhões para a Justiça Eleitoral.

Entre os presidenciáveis registrados até o momento, apenas Cabo Daciolo (Patriota) declarou não possuir bens. Guilherme Boulos (PSol) informou apenas um veículo no valor de R$ 15,4 mil como patrimônio. Já Vera Lúcia Salgado (PSTU) possui um terreno de R$ 20 mil.

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp 

App | Instagram | Newsletter

 

 

Leia mais