1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Jean Wyllys
Em outubro, Jean Wyllys foi eleito para seu terceiro mandatoFoto: Getty Images/AFP/M. Pimentel

Jean Wyllys desiste de mandato na Câmara para deixar Brasil

24 de janeiro de 2019

Ameaçado de morte e vivendo com escolta policial desde o assassinato da vereadora Marielle Franco, deputado federal diz que está deixando o país para "se manter vivo".

https://www.dw.com/pt-br/jean-wyllys-desiste-de-mandato-na-c%C3%A2mara-para-deixar-brasil/a-47224294

O deputado federal Jean Wyllys (PSol-RJ) anunciou nesta quinta-feira (24/01) que deixará o Brasil e não assumirá seu novo mandato, para o qual foi eleito em outubro do ano passado. A decisão foi anunciada em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo e depois nas redes sociais.

"Preservar a vida ameaçada é também uma estratégia da luta por dias melhores. Fizemos muito pelo bem comum. E faremos muito mais quando chegar o novo tempo, não importa que façamos por outros meios", escreveu Wyllys no Twitter, agradecendo ainda a seus eleitores.

Deputado federal desde 2010 e homossexual assumido, Wyllys atuou em favor dos direitos LGBT durante seus mandatos. Ele é um dos principais alvos de grupos conservadores nas redes sociais e recebe constantes ameaças, inclusive de morte. 

Desde o assassinato de sua colega de legenda, a vereadora Marielle Franco, há pouco mais de dez meses, o deputado vive sob escolta policial. Atualmente, Wyllys está de férias fora do Brasil.

Em entrevista à Folha de S. Paulo, o parlamentar contou que as ameaças de morte se intensificaram, principalmente depois da campanha eleitoral na qual foi difamado em várias notícias falsas. Por isso, ele decidiu abandonar a vida pública.

Segundo Wyllys, a revelação do envolvimento do senador eleito Flávio Bolsonaro com familiares do ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega, miliciano suspeito de estar envolvido na morte de Marielle, também contribuiu para a sua decisão.

"Me apavora saber que o filho do presidente contratou no seu gabinete a esposa e a mãe do sicário. O presidente que sempre me difamou, que sempre me insultou de maneira aberta, que sempre utilizou de homofobia contra mim. Esse ambiente não é seguro para mim", afirmou Wyllys na entrevista.

O deputado disse ter chegado ao seu limite e que deseja se manter vivo. "Essa não foi uma decisão fácil e implicou muita dor, pois estou com isso também abrindo mão da proximidade da minha família, dos meus amigos queridos e das pessoas que gostam de mim e me queriam por perto", acrescentou.

Sobre seus planos para o futuro, Wyllys não revelou em qual país pretende morar, dizendo apenas que deseja fazer doutorado. Formado em jornalismo, ele possui mestrado em Letras e, antes de entrar para a política, foi professor universitário.

Com a decisão de desistir do mandato, é o vereador David Miranda (PSol-RJ), suplente de Wyllys, quem deve preencher a vaga na Câmara. Primeiro vereador assumidamente LGBT a ser eleito no Rio, Miranda prometeu dar sequência ao trabalho feito pelo colega no Congresso.

CN/ots

___________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter