Japonesas declaram guerra ao salto alto | Notícias internacionais e análises | DW | 05.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Ásia

Japonesas declaram guerra ao salto alto

Atriz inicia campanha #KuToo para acabar com a prática de exigir o uso de salto alto no trabalho e ganha rápido apoio das mulheres do país. Pressionado, governo analisa demanda.

Mulher japonesa de traje empresarial e salto alto sentada numa praça

A campanha #KuToo faz o trocadilho com duas palavras japonesas: kutsu, que significa sapatos, e kutsuu, que significa dor

Cerca de 20 mil mulheres assinaram uma petição online que pede ao governo do Japão que proíba as empresas de exigirem o uso de sapatos de salto alto por parte de funcionárias.

A petição foi iniciada pela atriz Yumi Ishikawa, que afirmou ter sido obrigada a usar o calçado desconfortável em seu trabalho de meio período numa funerária.

"Depois do trabalho, todo mundo troca para tênis ou sapatilhas", diz Ishikawa no texto da petição. Ela também chama a atenção para os efeitos sobre a saúde causados pelo uso diário de salto alto, como dores nas costas, joanetes e bolhas.

Ishikawa reclama que seus colegas de sexo masculino não enfrentam no Japão as mesmas expectativas desconfortáveis em relação aos seus trajes.

Ela espera que petição "torne o trabalho mais fácil para todos, crie um ambiente de trabalho livres de encargos desnecessários".

O movimento se tornou viral e foi apelidado de campanha #KuToo, um trocadilho com duas palavras japonesas – kutsu, que significa sapatos, e kutsuu, que significa dor. Nas 24 horas seguintes ao lançamento da petição, milhares de japonesas começaram a se pronunciar em defesa da causa.

Depois de uma reunião no Ministério do Trabalho do Japão, Ishikawa relatou a repórteres que se encontrou com uma funcionária que parecia simpatizar com a sua causa. O Ministério da Saúde do Japão também está analisando a petição.

"Hoje apresentamos uma petição que pede a introdução de leis que proíbem os empregadores de forçar as mulheres a usar saltos altos, pois se trata de discriminação sexual ou assédio", disse Ishikawa na terça-feira (04/06).

Não seria a primeira vez na história recente que as empresas japonesas teriam que repensar seus códigos de vestuário. Em 2005, o governo do Japão encorajou as empresas a reduzir o consumo de eletricidade e diminuir o uso de ar condicionado em prédios comerciais. Como consequência, o padrão masculino de longa data que estipulava o uso de gravatas começou lentamente a ser flexibilizado.

Nos últimos anos, as mulheres japonesas têm denunciado a falta de progresso na luta contra o sexismo em instituições em todo o país. Um exemplo de grande repercussão ocorreu em agosto de 2018, quando foi revelado que a Universidade de Medicina de Tóquio distorcia os resultados de vestibular das mulheres para beneficiar os candidatos homens.

PV/afp/rtr

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais