Japão identifica nova variante do coronavírus | Notícias internacionais e análises | DW | 19.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Pandemia de coronavírus

Japão identifica nova variante do coronavírus

Mais de 90 pessoas foram infectadas no país com a cepa, que, segundo investigações iniciais, seria diferente das variantes brasileira, sul-africana e britânica.

Campanha de imunização no Japão começou apenas há alguns dias

Campanha de imunização no Japão começou apenas há alguns dias

O Japão confirmou nesta sexta-feira (19/02) a descoberta de uma nova e possivelmente mais contagiosa variante do coronavírus. A cepa foi detectada até agora em 91 infectados na região de Kanto, no leste do país.

"Ela pode ser mais contagiosa que cepas convencionais e, se continuar a se espalhar no país, pode levar a um rápido crescimento dos casos”, disse o secretário-geral do gabinete de governo, Katsunobu Kato.

A descoberta coincide com o momento em que o governo japonês aumentou o monitoramento de variantes do coronavírus possivelmente mais resistentes a vacinas. O país começou sua campanha de imunização nesta semana.

De acordo com o Instituto Nacional de Doenças Infecciosas, a nova cepa teve origem no exterior, mas é diferente de outros tipos que foram encontrados esporadicamente no Japão, como a britânica, sul-africana e a brasileira.

A "variante japonesa” tem a mesma mutação E484K na proteína spike do vírus que foi encontrada em outras variantes, o que pode prejudicar a eficácia das vacinas.

O Japão já registrou 151 casos de infecção pelas variantes britânica, sul-africana e brasileira. O país teve até agora 400 mil casos da doença, com mais de 7.100 mortes.

Demora na vacinação

O Japão aprovou formalmente apenas no último domingo (14/02) o uso no país da primeira vacina contra a covid-19, o imunizante da Pfizer-Biontech. A campanha de vacinação começou na quarta-feira e tem como objetivo imunizar a maior parte da população até julho, antes do começo dos Jogos Olímpicos.

A aprovação da vacina é vista como um fator fundamental para que o país realize os Jogos Olímpicos, que estão marcados para ocorrer de 23 de julho a 8 agosto. Originalmente, eles deveriam ter sido realizados no ano passado, mas foram adiados devido à pandemia. 

Embora muitos países já estejam usando a vacina da Pfizer-Biontech desde o final do ano passado, o Japão optou por fazer testes no país antes de aprovar o imunizante.

No Japão, muitas pessoas são céticas em relação às vacinas, motivo pelo qual o país realizou testes adicionais. No entanto, eles foram conduzidos em apenas 160 pessoas - o que leva a questionamentos sobre se o atraso na vacinação realmente valeu a pena.

Até o final desse ano, o Japão deve receber 144 milhões de doses da vacina da Pfizer-Biontech, 120 milhões da AstraZeneca e cerca de 50 milhões da Moderna, o suficiente para cobrir sua população de cerca de 126 milhões de habitantes.

As vacinas que estão sendo desenvolvidas pelo Japão ainda estão em estágios iniciais, por isso, o país ainda depende das importações. 

Embora pesquisas de opinião mostrem que grande parte da população é contra a realização dos Jogos Olímpicos, o governo insiste em realizá-los, como uma demonstração de triunfo sobre o coronavírus.

rpr (Reuters, AP)