Itália entra na nova Rota da Seda | Notícias internacionais e análises | DW | 23.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Itália entra na nova Rota da Seda

Governos chinês e italiano assinam em Roma carta de intenções para selar a participação do país europeu em projeto faraônico lançado por Pequim, apesar das críticas de parceiros da União Europeia e dos EUA.

Italien Rom | Xi Jinping, Präsident China & Giuseppe Conte, Premierminister (Reuters/Y. Nardi)

Presidente chinês, Xi Jinping, é recebido por premiê italiano, Giuseppe Conte, em Roma

Apesar das preocupações de Bruxelas e Washington, os governos italiano e chinês assinaram neste sábado (23/03) memorando de entendimento "não vinculativo" para selar a entrada da Itália na "nova Rota da Seda".

Em Roma, foram assinados 29 acordos em áreas como infraestrutura e energia, na presença do presidente chinês, Xi Jinping, e do primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte.

A China planeja usar o projeto de infraestrutura para investir bilhões em portos, estradas, ferrovias, redes de telecomunicações e aeroportos em dezenas de países. Novos corredores econômicos e comerciais serão criados na Europa, África e América Latina, mas também na Ásia.

Roma abre-se, assim, à Iniciativa do Cinturão e Rota ("Belt and Road Initiative"), um programa lançado pela China para se conectar com as economias ocidentais na Europa, Oriente Médio e África e que vê nos portos italianos o ponto de chegada ideal para difundir os seus produtos e investimentos.

A Itália é o primeiro país membro do G7, grupo das sete democracias mais industrializadas do planeta, a integrar esse plano faraônico de infraestruturas marítimas e terrestres lançado por Pequim em 2013. Com o projeto, Pequim tenciona impulsionar o seu comércio com o Ocidente, apesar de reservas por parte da União Europeia.

Os Estados Unidos e importantes membros da União Europeia (UE), como a França ou a Alemanha, veem com certa desconfiança o projeto chinês. Os grandes parceiros da UE criticam, entre outros, a falta de transparência e condições desleal de concorrência. Eles também temem que a China continue a fortalecer seu impulso global pelo poder.

Os EUA responderam com palavras duras logo após a declaração. O porta-voz do Conselho Nacional de Segurança da Casa Branca, Garrett Marquis, chamou a nova Rota da Seda de "projeto de infraestrutura vã da China", alegando que "não beneficiaria o povo italiano".

Roma apoiou o projeto da Rota da Seda desde o início. O ex-primeiro-ministro Paolo Gentilioni viajou à China em 2017 para participar da primeira cúpula de cooperações. No entanto, até pouco tempo, ainda não estava claro se a Itália realmente assinaria a carta de intenções com a China.

A posição dentro da coalizão de governo do populista Movimento Cinco Estrelas e da legenda de direita Lega Norte era divergente. "Ambas as partes têm posições diferentes neste projeto", disse Francesca Manenti, analista da Ásia e do Pacífico no think tank italiano Centro Studi Internazionali (CeSI).

Na Europa, assinaram acordos desse tipo países como Malta, Portugal, Bulgária, Croácia, República Tcheca, Hungria, Grécia, Estônia, Letônia, Lituânia, Eslováquia e Eslovênia, mas a Itália é o primeiro país do G7 a fazê-lo.

Após sua visita à Itália, o chefe de estado chinês, Xi Jinping, segue para Mônaco e França. Na terça-feira, o líder comunista se encontra em Paris com o presidente francês, Emmanuel Macron, a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

CA/dpa/rtr/lusa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais