Irregularidades na eleição de Putin provocam protestos na Rússia e no exterior | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 06.03.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Irregularidades na eleição de Putin provocam protestos na Rússia e no exterior

Autoridades russas prenderam centenas de pessoas em manifestação contra a reeleição de Vladimir Putin. Questionamentos sobre a legitimidade das eleições no país continuam e atraem a atenção da comunidade internacional.

Depois de anunciada a vitória presidencial de Vladimir Putin, milhares de oposicionistas foram às ruas da Rússia em protesto, alegando fraude eleitoral. A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) criticou irregularidades em um terço dos locais de votação fiscalizados, e admite que houve favorecimento para Putin. O grupo Golos, de monitoramento eleitoral independente, registrou milhares de infrações do direito eleitoral e recebeu 14 mil reclamações.

"Rússia sem Putin”

Proteste gegen Wahlen in Russland

Polícia prendeu no mínimo 250 manifestantes em Moscou

A passeata na capital Moscou foi a maior de todas, com um número de participantes entre 14 mil (segundo a polícia) e 20 mil (segundo a oposição). Seguindo o velho padrão repressivo, as unidades especiais do Ministério do Interior, equipadas com capacetes e cassetetes, cercaram os manifestantes na Praça Pushkin, no centro de Moscou.

Os policiais anunciavam insistentemente pelos alto-falantes que o local deveria ser evacuado e que a manifestação estava encerrada. Por volta das 19 horas, a Praça Pushkin era pequena demais para os 20 mil manifestantes presentes. Com ânimos estavam exaltados, apesar da temperatura de cinco graus negativos, os manifestantes gritavam: "Rússia sem Putin!".

Assistir ao vídeo 01:54
Ao vivo agora
01:54 min

Protestos anti-Putin em Moscou (em inglês)

"Diante desse show sujo do Kremlin, sob o disfarce de eleição, sinto só ódio contra esse sistema", disse Serguei Udaltsov, líder da Frente de Esquerda. Por se recusar a deixar a praça até as 21 horas, horário estipulado pela polícia para a evacuação voluntária, ele foi preso, assim como o conhecido blogueiro e ativista anticorrupção Alexei Navalny. Ao todo, as forças de segurança prenderam cerca de 250 manifestantes em Moscou – outras fontes falam em até 500 presos. Em São Petersburgo, também houve prisões durante passeatas contra Vladimir Putin.

Crítica internacional

Russland Wahlen Wladimir Putin bei der Stimmabgabe in Moskau

Terceiro mandato presidencial de Putin sob signo da corrupção

Na madrugada, parte dos manifestantes em Moscou foram soltos, inclusive Udatsov e Navalny. Três importantes representantes da oposição foram chamadas a juízo nesta terça-feira. Dois deles estão incorrem em multas de até 2 mil rublos (51 euros). O terceiro, o líder da oposição Ilya Zashin, poderá ser condenado a prisão de até 15 dias, por supostamente infringir as normas para organização de uma passeata.

A legitimidade das eleições realizadas no último domingo é também questionada em nível internacional. Diversos líderes políticos criticaram a forma como foi conduzido o pleito. A coordenadora de política externa da União Europeia, Catherine Ashton, instou o país a se manifestar sobre as "falhas" observadas nas eleições; e o Departamento norte-americano de Estado quer que a Rússia realize uma "investigação independente e com credibilidades" sobre quaisquer irregularidades.

A Alemanha também criticou o procedimento durante as eleições: segundo o porta-voz do governo, as eleições foram conduzidas "como conhecemos de outras partes da Europa". Isso não impediu a chanceler federal Angela Merkel de comunicar ao presidente russo eleito seus "melhores votos para o futuro mandato".

MAS/dw/dpa/afp/rtr
Revisão: Augusto Valente

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados