Irreconhecível, Alemanha estreia com derrota na Copa | Fique informado sobre tudo o que acontece na Copa do Mundo | DW | 17.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Copa de 2018

Irreconhecível, Alemanha estreia com derrota na Copa

Atuação na vitória por 1 a 0 do México comprova uma impressão que já pairava na preparação para o Mundial: Löw ainda não achou soluções para os problemas surgidos desde o título de 2014.

Kimmich arrisca uma bicicleta em meio a vários mexicanos: retrato do desespero

Kimmich arrisca uma bicicleta em meio a vários mexicanos: retrato do desespero

A Alemanha iniciou a busca pelo pentacampeonato mundial com uma surpreendente e merecida derrota, por 1 a 0, para o México. Os atuais campeões mundiais repetiram as atuações decepcionantes dos jogos preparatórios e foram dominados, neste domingo (17/06), no estádio Luzhniki. O herói do jogo foi o jovem atacante Hirving Lozano, do PSV Eindhoven.

Em sua 19ª participação em Copas, a derrota para o México marca apenas a segunda derrota da Alemanha em estreias – a outra havia sido em 1982, quando perdeu por 2 a 1 para a Argélia. Ao mesmo tempo, foi também a primeira vitória mexicana contra um adversário europeu em solo europeu.

A atuação da Nationalelf comprovou uma impressão que já pairava na preparação para a Copa do Mundo da Rússia – o treinador Joachim Löw não encontrou soluções para a falta de criatividade e de competitividade quando sob pressão, e insistiu com alguns jogadores que não rendem há tempos, como Julian Draxler e Özil.

A bola praticamente não chegou até o centroavante Timo Werner – e se Werner não funciona, quais são as alternativas? As opções seriam Thomas Müller ou Mario Gómez – que não enchem os olhos de nenhum torcedor.

Se o setor defensivo era o ponto forte, este se mostrou bastante vulnerável. Mats Hummels e Jérôme Boateng não têm mais a mesma velocidade de outros tempos, enquanto Joshua Kimmich é o Daniel Alves alemão – mais preocupado nos avanços ofensivos do que com a cobertura defensiva.

Mas o principal sinal de alerta para Löw foi certamente a falta de compactação entre os setores – as lacunas, especialmente entre o meio-campo e o setor defensivo, eram demasiadamente grandes, e incomuns para a seleção alemã.  

A Alemanha não perdia um jogo oficial desde a semifinal da Eurocopa de 2016, quando foi derrotada pela França, por 2 a 0. Desde então, eram 15 partidas com 14 vitórias e um empate – 1 a 1 contra o Chile na Copa das Confederações de 2017. No 100º jogo oficial de Löw, a primeira grande surpresa da Copa do Mundo de 2018.    

O jogo

O jogo começou bastante intenso, com a seleção mexicana buscando impor uma correria para cima de uma envelhecida – e, em muitos momentos, lenta na recomposição defensiva – seleção da Alemanha. A média de idade de 27 anos e 310 dias representa a escalação mais velha da seleção alemã num Mundial desde a final de 2002. 

Müller leva cartão amarelo: geralmente tranquilos, jogadores demonstração irritação

Müller leva cartão amarelo: geralmente tranquilos, jogadores demonstração irritação

E a formação defensiva, com Joshua Kimmich, Maths Hummels, Jérôme Boateng e Marvin Plattenhardt – que entrou no lugar de Jonas Hector, gripado – havia atuado junto apenas uma única vez, em outubro de 2017, na vitória por 3 a 1 contra a Irlanda do Norte.

E com rápidas investidas pelas extremidades – especialmente pela esquerda com Hirving Lozano – os mexicanos deram bastante trabalho a Kimmich, Hummels e Boateng. O capitão Manuel Neuer teve que intervir em diversas ocasiões – um sinal negativo para o desempenho defensivo da Nationalelf, mas comprovou também que o goleiro está completamente recuperado de sua lesão no pé esquerdo.

A pressão mexicana manteve-se durante toda a primeira etapa e surtiu efeito. Embora a Alemanha tenha tido suas chances, principalmente em finalizações de média distância, o México completou com maestria aos 35 minutos um dos tantos contra-ataques. Javier "Chicharito" Hernández avançou sozinho contra Boateng e rolou para Lozano, que deu um corte seco em Özil e fuzilou o canto inferior esquerdo de Neuer.

Um primeiro tempo completamente passivo dos atuais campeões mundiais. A Alemanha teve dificuldades em acelerar o jogo e não encontrou espaços pelas extremidades. Toni Kroos ainda cobrou uma falta com maestria, mas o arqueiro mexicano Guillermo Ochoa conseguiu desviar a bola para o travessão.

Na segunda etapa, como não poderia ser diferente, a Alemanha buscou muito mais o jogo, mas pecou na construção criativa das jogadas. As melhores oportunidades alemãs foram na base da pressão, com Draxler um pouco mais incisivo e Boateng com participação ativa na armação.

No quesito organização tática, o México deu um banho na Alemanha. Nos últimos 15 minutos prevaleceu a qualidade individual dos alemães – também devido ao cansaço dos mexicanos, que propuseram um jogo de alta intensidade. Julian Brandt acertou a trave no apagar das luzes.

A nota história fica por conta da entrada de Rafa Márquez, aos 30 minutos. Com isso, o zagueiro mexicano de 39 anos soma minutos em campo em sua quinta Copa do Mundo e igualou as marcas de Antonio Carbajal, goleiro do México, e Lothar Matthäus, meia alemão – o goleiro italiano Gianluigi Buffon foi convocado para cinco Copas, mas atuou apenas em quatro.

Fußball WM 2018 Gruppe F Deutschland - Mexiko (Getty Images/AFP/F. X. Marit)

A defesa do jogo: Ochoa voa para evitar o gol de falta de Kroos, no primeiro tempo

Ficha técnica

Alemanha 0 x 1 México

Local: Estádio Luzhniki, Moscou

Arbitragem: Alireza Faghani (Irã), auxiliado por seus compatriotas Reza Sokhandan e Mohammadreza Mansouri.

Gol: Hirving Lozano (35'/1T)

Cartões amarelos: Héctor Moreno (40'/1T), Thomas Müller (38'/2T), Mats Hummels (40'/2T) e Héctor Herrera (45'/2T)

Alemanha: Manuel Neuer; Joshua Kimmich, Jérôme Boateng, Mats Hummels e Marvin Plattenhardt (Mario Gómez); Sami Khedira (Marco Reus) e Toni Kroos; Thomas Müller, Mesut Özil e Julian Draxler; Timo Werner (Julian Brandt). Técnico: Joachim Löw.

México: Guillermo Ochoa; Carlos Salcedo, Hugo Ayala, Héctor Moreno e Jesús Gallardo; Andrés Guardado (Rafael Márquez) e Héctor Herrera; Miguel Layún, Carlos Vela (Edson Álvarez) e Hirving Lozano (Raúl Jimenez); Javier Hernández. Técnico: Juan Carlos Osório.

============

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Leia mais