Irã intimida adversários com demonstrações de poder bélico | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 28.09.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Irã intimida adversários com demonstrações de poder bélico

Mísseis de longa distância do tipo Shahab 3 são capazes de percorrer distâncias de até 2 mil km, alcançando cidades como Tel Aviv e bases militares americanas no Golfo Pérsico. Testes provocam tensão em todo o mundo.

default

Testes com o Shahab 3 em 2008

Como parte de suas manobras militares anuais, o Irã iniciou testes com mísseis de curto e médio alcance. O país possui vasto arsenal desse tipo de armas, e o amplia continuamente. Segundo estimativas de peritos ocidentais e de oposicionistas iranianos, o Irã disporia de mísseis intercontinentais também capazes de transportar ogivas atômicas.

Especialistas estimam que o Irã possua mais de 400 mísseis de médio alcance do tipo Shahab 1 e 2, usados durante os presentes testes. Projéteis como esses têm alcance de até 700 quilômetros. Já os Shahab 3 são de grande alcance, de até 2 mil quilômetros, comparável aos dos mísseis da Coreia do Norte.

Teoricamente, os iranianos poderiam atingir cidades israelenses ou bases militares americanas no Golfo Pérsico. Tel Aviv, por exemplo, fica a apenas cerca de mil quilômetros da fronteira oeste do Irã. Em fevereiro último, Teerã lançou seu primeiro satélite em órbita terrestre com um Shahab 3 modificado. Especialistas ocidentais acreditam que, do ponto de vista do peso, mísseis como estes poderiam ser utilizados para levar ogivas nucleares.

Tática de intimidação

Teheran Raketen Stadtbild

Míssil de longo alacance é exposto na capital Teerã

Os Shahab 3 prescindem de combustível líquido, podendo ser mais facilmente transportados e acionados com maior rapidez. O programa de mísseis de curto e médio alcance foi divulgado em comunicado oficial de Teerã, com intenção, em primeira linha, intimidativa. Parte-se do princípio que o Irã utilizaria as armas no caso de um eventual ataque a uma de suas usinas termonucleares.

Especialistas ocidentais também creem que há um bom tempo o país vem desenvolvendo secretamente num míssil intercontinental. Entretanto ainda teria um longo caminho a percorrer, de acordo com o relatório do serviço secreto dos Estados Unidos, publicado em setembro. Por outro lado, os programas de curto e médio alcance teriam sido acelerados.

Na semana passada, o Irã admitiu a existência de uma segunda unidade de reprocessamento nuclear, além da já conhecida. Segundo consta, as instalações próximas à cidade de Qom encontrar-se-iam no mesmo nível técnico das de Natanz, sendo, porém, melhor protegidas contra ataques. A comunidade internacional ameaça o Irã com o endurecimento de sanções, por seu programa nuclear.

O presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad, já negou várias vezes a existência do Estado de Israel. Este país, por sua vez, também sugeriu que se empregassem mísseis para destruir as instalações nucleares do Irã.

Autor: Daniel Scheschkewitz (eab)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais