Internacional Socialista apoia Guaidó e expulsa partido da Nicarágua | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 30.01.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

América Latina

Internacional Socialista apoia Guaidó e expulsa partido da Nicarágua

Organização internacional reconhece esforços de líder oposicionista para "conduzir uma transição para a democracia" na Venezuela e expulsa a nicaraguense Frente Sandinista de Liberação Nacional.

Manifestação pró-governo na Nicarágua, com bandeira da FSLN

Governada pela FSLN, Nicarágua vive uma crise política e social desde abril de 2018

O Conselho da Internacional Socialista (IS) expulsou de sua composição o partido no poder na Nicarágua por violações de direitos humanos e valores democráticos e manifestou apoio ao líder da oposição na Venezuela, Juan Guaidó.

Em reunião nesta terça-feira (29/01), o Conselho reconheceu os esforços de Guaidó, autoproclamado presidente interino da Venezuela, para "conduzir uma transição para a democracia, apoiada na legítima Assembleia Nacional", e afirmou que a única maneira de o país avançar seria realizando novas eleições urgentemente.

A crise venezuelana não fazia parte da agenda oficial do encontro do IS, realizado em Santo Domingo, mas foi debatida pelos participantes, que aprovaram uma resolução afirmando que as novas eleições precisariam "ser vigiadas por uma nova autoridade eleitoral plenamente independente e imparcial".

A IS reiterou acreditar que a eleição de maio passado na Venezuela, na qual Maduro obteve um segundo mandato, "não contou com credibilidade democrática".

Na reunião em Santo Domingo, o presidente do comitê disciplinar da IS, Rafael Michelí, apresentou um relatório sobre a situação da Nicarágua, condenou a crise no país e concluiu que o partido governista, a Frente Sandinista de Liberação Nacional (FSLN), "já não nos representa".

Segundo Michelí, a FSLN "tem um passado glorioso e, mais que ninguém, deveria ser um exemplo de respeito aos direitos humanos". "Não foi fácil tomar essa decisão, mas se queremos respeitar os valores da IS temos que ser consequentes."

A medida foi criticada pelo representante da FSLN, Francisco Rosales, que lamentou a tomada da decisão sem que o comitê da IS para a América Latina tenha visitado a Nicarágua para comprovar a situação. "Esse tema nunca havia sido discutido pelo Comitê para América Latina", disse. 

O partido nicaraguense criticou ainda o fato de a decisão ter sido tomada por 10 votos a favor e 9 contra, de um total de 59 partidos, sendo que a maioria "não emitiu opinião".

A Nicarágua vive uma crise política e social desde abril de 2018, que, segundo o governo, resultou em 199 mortes. Organizações não governamentais locais e internacionais estimam o número de mortos entre 325 e 561.

Os protestos contra o presidente Daniel Ortega, sua mulher e a vice-presidente Rosario Murillo começaram, em abril, com a contestação de uma polêmica reforma do sistema de segurança social que previa o aumento das contribuições de trabalhadores e empresas.

Quatro dias depois, o governo anunciou a anulação da reforma, mas a repressão dos protestos, que já tinha deixado vários mortos e detidos, manteve nas ruas os manifestantes, que passaram e exigir a renúncia de Ortega.

PJ/lusa/efe/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais