Incêndio em hospital na Índia mata 10 recém-nascidos | Notícias internacionais e análises | DW | 09.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Incêndio em hospital na Índia mata 10 recém-nascidos

Serviços de emergência e funcionários da maternidade não conseguem salvar todos os bebês a tempo. Primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, diz que tragédia "é de partir o coração".

Policiais e civis diante de hospital na Índia

Polícia investiga circunstâncias que provocaram incêndio em hospital na Índia

Dez bebês recém-nascidos morreram durante um incêndio em um hospital estatal no oeste da Índia neste sábado (09/11).

O incidente ocorreu no Hospital Geral do Distrito de Bhandara, no estado de Maharashtra, quase mil quilômetros ao sul de Nova Déli.As crianças tinham de alguns dias a três meses de idade, segundo a agência de notícias Press Trust of India.

Enfermeiros de plantão perceberam um incêndio vindo da unidade neonatal do hospital por volta de 1h30 (horário local) e acionaram o alarme.

Funcionários e serviços de emergência resgataram sete dos recém-nascidos do hospital, afirmou Pramod Khandate, um médico do hospital. Mas não conseguiram alcançar os outros 10 bebês que estavam em uma enfermaria separada. "Nossa equipe apagou o fogo assim que pôde. A fumaça sufocou os bebês", disse Khandate.

Os bombeiros impediram que o incêndio se propagasse para outras partes do hospital, e outros pacientes foram levados para um local seguro.

Uma investigação preliminar sugeriu que o fogo foi causado por um curto-circuito, de acordo com fontes da polícia. A informação, entretanto, não foi confirmada oficialmente.

As autoridades ordenaram uma investigação imediata sobre as circunstâncias do desastre..

"Uma tragédia de partir o coração em Bhandara, Maharashtra, onde perdemos preciosas vidas jovens", disse o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, no Twitter.

MD/afp/rtr