Incêndio destrói Museu da Língua Portuguesa em São Paulo | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 22.12.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Incêndio destrói Museu da Língua Portuguesa em São Paulo

Chamas atingem principalmente o segundo e o terceiro andares do prédio e deixam um bombeiro civil morto. Acervo é basicamente virtual e deve ser recuperado. Alckmin promete reconstrução do museu.

Um incêndio de grandes proporções atingiu, nesta segunda-feira (21/12), o Museu da Língua Portuguesa, localizado na Praça da Luz, na região central de São Paulo. Um bombeiro civil morreu no combate ao fogo. Como o museu está fechado às segundas-feiras, não havia visitantes.

Ronaldo Pereira da Cruz, um bombeiro civil que trabalhava no local e tentou controlar as chamas, morreu em consequência de uma parada cardiorrespiratória, após ter sido internado num hospital da cidade.

O incêndio começou por volta das 15h30 no primeiro andar do museu e se alastrou pelos outros dois andares, atingindo principalmente o último andar. O telhado foi totalmente destruído. Os bombeiros controlaram as chamas por volta das 17h45. Mais de 100 homens e 60 viaturas dos bombeiros trabalharam no local.

As causas do incêndio ainda não estão esclarecidas. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o museu não tinha aval do Corpo de Bombeiros para funcionar. Uma funcionária relatou ao diário paulista que houve uma falha num hidrante no início do incêndio.

De acordo com o secretário municipal da Cultura, Nabil Bonduki, as informações iniciais são de que o acervo do museu não foi atingido. O local mais afetado pelo fogo, segundo o secretário, abrigava uma exposição temporária de cenografia. "Os acervos são a alma dos museus. Se não se perdeu o acervo, considero que é uma perda menor", disse.

Uma das idealizadoras do museu, a cineasta e socióloga Isa Grinspum Ferraz, declarou-se "chocada" com o incêndio. Devido à natureza das exposições, que continham em sua maioria materiais digitais, contudo, ela avalia que será possível recuperar o acervo. "Tinha poucos objetos em exposição. Temos arquivos do conteúdo. Tudo isso poderá ser recuperado", disse, em entrevista à DW.

O secretário estadual de Cultura, Marcelo Araújo, disse que o acervo do museu é digital. "Temos cópias técnicas. A exposição de longa duração poderá ser refeita", disse, acrescentando que a área expositiva foi toda destruída. O secretário não soube responder se o museu tinha alvará de funcionamento, pois a licença é concedida para todo o edifício, que inclui a estação de trens e metrô. "Todos os equipamentos de segurança estavam previstos e instalados."

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou que o museu será reconstruído. Alckmin visitou o local no fim da tarde desta segunda-feira, para avaliar os danos causados, e confirmou que o acervo é digital e foi preservado porque a instituição tem cópias das obras.

Difusão da língua portuguesa

O Museu da Língua Portuguesa foi inaugurado oficialmente em 2006 e está localizado numa parte do edifício da Estação da Luz. Um dos cartões-postais da cidade, o prédio foi inaugurado em 1867. O complexo da Estação da Luz é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Dedicado à valorização e difusão do idioma, considerado patrimônio imaterial, o museu recebeu mais de 1,6 milhão de visitantes em nos primeiros três anos de funcionamento, tornando-se um dos mais visitados do Brasil e da América do Sul.

Sua exposição interativa é distribuída por três andares e basicamente virtual, mostrando facetas do português como, por exemplo, origens de palavras e projeções de obras da literatura brasileira. A instituição também oferece cursos e eventos para professores, estudiosos e o público em geral.

A equipe é formada por sociólogos, museólogos, especialistas em língua portuguesa e artistas. O museu foi montado pelo governo do Estado de São Paulo. Foram usados cerca de R$ 37 milhões para financiar a criação, pesquisa, implantação do museu e restauração do prédio da Estação da Luz.

A cidade de São Paulo foi escolhida para receber o museu porque reúne a maior população de falantes da língua portuguesa no mundo, estimada em mais de 10 milhões de pessoas.

Em Portugal, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, declarou à agência de notícias Lusa que recebeu "com consternação" a notícia do incêndio, exprimiu "solidariedade" com os envolvidos e lamentou a morte de um bombeiro.

Incêndios anteriores

A Estação da Luz havia sido parcialmente destruída por um incêndio em 1946, que consumiu arquivos e documentos, e danificou a fachada da avenida Tiradentes.

Em 2013, um grande incêndio atingiu o auditório Simón Bolivar do Memorial da América Latina, um centro cultural da cidade de São Paulo projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer. Aproximadamente 100 bombeiros participaram da operação e o rescaldo durou cerca de 15 horas, mas o fogo destruiu cerca de 90% do auditório.

PV/AS/lusa/abr/dw

Leia mais