Imprensa europeia julga com rigor ″rebaixamento″ do Brasil | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 11.09.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Imprensa europeia julga com rigor "rebaixamento" do Brasil

Queda da nota do país para o nível especulativo é analisada pelos veículos da Europa com duras críticas à política econômica do governo Dilma. Francês "Le Monde" é único a ver decisão da S&P de forma mais otimista.

Ao comentar o anúncio, na quarta-feira (09/09), de que a agência de classificação americana relegou o Brasil ao nível de risco "BB+, a maioria dos veículos de imprensa europeus evita uma denominação mais crassa, pelo menos nas manchetes.

Fala-se preferencialmente de "queda de solvência", "perda do selo de bom pagador", "relegação a status de devedor especulativo". Para o espanhol El País, "um dos maiores pesadelos da equipe econômica de Dilma Rousseff e dos empresários brasileiros começou a tomar forma nesta quarta-feira".

Por sua vez, o título do Público, o site de notícias mais popular de Portugal, não faz rodeios: "Standard & Poor's coloca rating do Brasil ao nível de 'lixo'”

"A queda acentuada do investimento e do consumo, num ambiente de instabilidade política, empurraram [sic] a atividade econômica do país para o pior desempenho desde o primeiro trimestre de 2009, de acordo com números recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)."

Acusações a Dilma

O suíço Neue Zürcher Zeitung não tem dúvidas quanto a quem atribuir a culpa pelas atuais vicissitudes brasileiras: "Esta é a conta pela caótica política econômica do governo de Dilma Rousseff."

O jornal cita a S&P, ao acusar os governantes de parecerem "estar cada vez menos dispostos a implementar a política fiscal iniciada no começo deste ano". E ressalta que as duas outras principais agências de rating, Fitch e Moody's, "ainda avaliam o Brasil como um devedor seguro, mas deverão em breve seguir o exemplo da S&P, com seus próprios rebaixamentos".

A revista alemã Der Spiegel tampouco poupa críticas aos responsáveis brasileiros, ao estampar: "A política de dívidas da presidente do Brasil quica de volta".

"Com o rebaixamento, o Brasil, enquanto devedor, perdeu o investment grade, que indica um investimento financeiro ao menos razoavelmente seguro. Assim, os títulos de dívida pública brasileiros ficam categorizados como junk bonds. Com isso, o financiamento estatal deve ficar ainda mais difícil", prediz o site do semanário alemão.

Segundo o jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung, "o rebaixamento do Brasil não foi inesperado, mas veio inesperadamente cedo": muitos não contavam como ele antes do fim de 2015.

Consequências internacionais

Atribuindo o atual estado de coisas à "falta de reformas", o britânico Financial Times aponta para os efeitos globais da desclassificação da potência sul-americana, ao preconizar que ela "desencadeia a perspectiva de mais turbulência nos países emergentes".

"O rebaixamento ao status de 'lixo', nesta semana, pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s, não é apenas um severo golpe para os investidores, tomadores de decisões e cidadãos do Brasil, mas também abre a perspectiva de uma onda de rebaixamentos subsequentes através dos mercados emergentes, à medida que os spreads de crédito se ampliam e os investidores se tornam mais pessimistas quanto ao desaquecimento econômico global."

La Repubblica, da Itália, igualmente enfatiza as consequências transnacionais da desclassificação do "país sul-americano, onde escândalos, corrupção e déficit galopante sufocaram o crescimento econômico". Ele cita, com preocupação, a Pirelli e a Fiat entre as "muitas firmas italianas com interesses brasileiros".

Além disso, "com as dificuldades da Rússia e da China, crescem os problemas do Brics". Falando de um "duríssimo golpe" e de uma "bordoada" desferida pela agência de rating americana, a conclusão do diário italiano é: "Assim se esfacela o Brics."

Esperanças francesas

Exceção nesse quadro pessimista, o editorial do diário francês Le Monde adota um tom compassivo e até otimista.

"Esta crise política, econômica e moral do Brasil talvez seja a etapa que ele precisa ultrapassar, para adentrar uma nova fase de seu desenvolvimento. Contanto que a paralisia política não perdure e o clima emocional se amaine, o Brasil pode sair fortalecido dessa provação", escreve.

"A descoberta de importantes reservas de petróleo durante a era Lula anestesiou o país para o fato de que seu futuro não está suficientemente preparado", prossegue a análise do jornal francês. "Ele precisa e deve reinventar seu modelo, a fim de poder responder às expectativas da nova classe média."

AV/ots

Leia mais