Homicídios caem, mas letalidade policial aumenta no Brasil | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 10.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Homicídios caem, mas letalidade policial aumenta no Brasil

Relatório aponta que país registrou 57.341 mortes violentas em 2018, redução de 10,4% em relação ao ano anterior. Letalidade policial, porém, tem aumento recorde. Policiais mataram mais de 6 mil pessoas no ano passado.

Operação policial no Rio de Janeiro

Operação policial no Rio de Janeiro, estado com a polícia mais letal do país

O número de mortes violentas no Brasil caiu 10,4% em 2018, quando foram registrados 57.341 homicídios no país, segundo dados revelados nesta terça-feira (10/09) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Apesar da queda, o relatório anual mostrou, porém, que houve um aumento recorde na letalidade policial.

Desde 2015, havia um crescimento contínuo no número de homicídios no país. Em 2017, foi registrado o recorde de 64.021 assassinatos, impulsionado principalmente pela disputa de territórios entre facções criminosas. O ano foi marcado pelos massacres em penitenciárias de Manaus, Boa Vista e Natal. A queda atual, que é a maior da série histórica iniciada em 2007, rompe essa evolução. Além disso, a quantidade de mortes violentas foi a menor já registrada desde 2013.

O relatório mostrou que houve uma diminuição de homicídios em 23 das 27 unidades federativas. Os Estados que registraram as maiores queda foram Acre, 25%, Pernambuco, 23,4%, Minas Gerais, 21,4%, Rio Grande do Sul, 21%, e Alagoas, 19%. Já Roraima, Tocantins, Amapá e Pará registraram um aumento no número de mortes.

"A queda retoma o patamar anterior a 2014, que já era alto. A redução não significa que conseguimos mudar a situação de forma significativa, mas que a crise vista em 2016 e 2017 foi em parte superada", afirmou o diretor-presidente do FBSP, Renato Sérgio Lima, ao jornal O Estado de S.Paulo.

Lima ressaltou que essa queda ocorreu devido à aparente trégua nos conflitos entre facções criminosas e a implantação de políticas estaduais de segurança pública mais eficientes. 

O relatório revelou, no entanto, um aumento de 20,1% no número de mortes cometidas por policiais. Em 2018, 6.220 pessoas foram mortas por agentes de segurança civis e militares. A série histórica do fórum mostrou que a letalidade policial vem crescendo constantemente desde 2013.

Enquanto mortes cometidas agentes de segurança seguem em alta, o assassinato de policiais está em queda desde 2016. Em 2018, houve uma queda de 8% em homicídios contra policiais, com 343 mortos, a grande maioria, 75%, foi assassinada quando estava de folga.

A polícia mais letal do país é a do Rio de Janeiro, que matou 1.534 pessoas em 2018, seguida pela de São Paulo, 851, e Bahia, 794. O Estado com o maior taxa de mortes de policiais no país é Pará, seguido do Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro.

Outro aumento preocupante foi indicado no relatório. O número de  mortes não esclarecidas cresceu 7% em 2018, chegando a 8.111. Essas mortes não entram nas estatísticas oficiais. Quase um terço das mortes classificadas como suspeita estão concentradas em São Paulo.

O relatório do fórum reúne dados de registros policiais dos Estados e incluiu os números de homicídios dolosos, quando há a intenção de matar, lesões corporais seguida de morte, mortes ocorridas em intervenções policiais e latrocínio – roubo seguido de morte.

Além do número de homicídios, o relatório mostrou também uma redução de 14,1% nos crimes contra o patrimônio, como furto. Houve uma queda de 16,1% no roubo de veículos, 15,9% no de residências, 14,2% a pedestres, 32,8% de bancos e 20,2% de cargas.

Enquanto a violência diminui, o relatório mostrou um aumento nos gastos com segurança pública no país, que chegaram a 91 bilhões de reais em 2018, 3,9% a mais do que no ano anterior. Especialistas, porém, afirmam que há uma não correlação direta entre esses dois fatores.

Com uma das menores taxas de homicídios, São Paulo é um dos Estados que menos gasta em segurança pública. Já Roraima é dos que mais gasta e tem o maior índice de mortes violentas. Investir mais no setor não significa que recursos são aplicados em respostas eficientes, como a investigação. O relatório, por exemplo, mostrou que apenas 0,6% destes 91 bilhões de reais foram destinados a informação e inteligência.

Especialistas ressaltam que investimentos em educação, na qualificação do trabalho policial, principalmente em inteligência e investigação efetiva, e na melhoria do sistema carcerário, além de mudanças na política criminal, são fundamentais para combater a violência no país.

CN/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais