Hamburgo ganha corrida para sediar nova Fundação UE-América Latina | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 25.01.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Hamburgo ganha corrida para sediar nova Fundação UE-América Latina

Hamburgo supera Paris e Milão na corrida para sediar a futura instituição de cooperação estratégica nos âmbitos econômico, cultural, político e científico.

default

Vista aérea da cidade portuária

A cidade portuária de Hamburgo, no norte da Alemanha, foi escolhida para sediar a nova Fundação União Europeia-América Latina, confirmou o ministro alemão das Relações Exteriores, Guido Westerwelle, em Berlim. A decisão foi tomada na manhã desta terça-feira (25/01) em Bruxelas pelo Conselho da União Europeia (UE) e representantes de todos os países latino-americanos.

"Hamburgo, uma cidade hanseática e aberta, com grande tradição e estreito contato com a América Latina, é um ótimo lugar para a nova fundação", afirmou Westerwelle, que se esforça em transformar a expansão das relações com o continente em ponto forte de seu mandato.

Hamburgo, que já abriga o Instituto de Estudos Latino-americanos e a Associação Empresarial Alemã para a América Latina, se impôs contra as outras duas candidatas, Paris e Milão. A nova fundação será responsável por coordenar e fortalecer futuramente as relações entre a América Latina, o Caribe e os 27 países-membros da UE, nos âmbitos econômico, cultural, político e científico.

Flash-Galerie Investitionsruinen in Deutschland

A Filarmônica do Elba, ainda em construção


Ainda não foi definido quem presidirá a instituição nem onde exatamente será sua sede. Também não há informações sobre a data de início de suas atividades ou qual será sua estrutura de funcionamento.

A ideia de sua criação surgiu durante a Cúpula UE-América Latina, em maio do ano passado, na capital espanhola. A recém-fundada instituição será financiada pelos países da UE e da América Latina, assim como pela Comissão Europeia. Além disso, o Ministério alemão das Relações Exteriores contribuirá com cerca der 300 mil euros, segundo os primeiros cálculos, e a cidade de Hamburgo de encarregará de disponibilizar escritórios e equipamentos.

RR/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais