Grupos extremistas registraram mais disposição para atos violentos na Alemanha em 2012 | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 13.06.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Grupos extremistas registraram mais disposição para atos violentos na Alemanha em 2012

Segundo o Departamento Federal de Proteção à Constituição, disposição para a violência por grupos extremistas de direita e de esquerda aumentou no país. Maior número de salafistas também aumentaria risco de ataques.

A disposição à violência por grupos radicais aumentou na Alemanha, de acordo com informações do presidente do Departamento Federal de Proteção à Constituição (BfV, na sigla em alemão), Hans-Georg Maaßen, que apresentou o relatório de 2012 do órgão, também conhecido como o serviço de inteligência interno da Alemanha, durante esta semana em Berlim. O país também continua um possível alvo de atentados terroristas islâmicos, segundo o BfV.

O ministro alemão do Interior, Hans-Peter Friedrich, assinalou a crescente ameaça à Alemanha por parte de grupos reformistas islâmicos conhecidos como salafistas. Segundo o relatório do BfV, responsável pela vigilância e pela proteção da Lei Fundamental alemã, o salafismo radical islâmico seria atualmente o movimento islamita mais dinâmico tanto no interior do país quanto internacionalmente.

Para o ministro alemão, principalmente a confrontação entre salafistas e extremistas de direita seria perigosa, já que os movimentos radicais de direita, por exemplo, alertam contra uma "islamização" da Alemanha, apostando em provocações para radicalizar a oposição aos grupos islâmicos.

Ainda de acordo com o relatório, o número dos extremistas de esquerda dispostos à violência, por sua vez, ficou igual ao de 2011. Porém, o serviço interno de inteligência da Alemanha registrou um aumento "sensível" da disposição à violência nesses grupos.

Extremismo de direita

De acordo com BfV, o número de extremistas de direita diminuiu ligeiramente na Alemanha durante o ano passado. No entanto, quase a metade dos 22.150 extremistas de direita teria disposição para a violência. E o número de delitos com motivação radical desse grupo teria aumentado em mais de mil casos em relação a 2011: foram 17.134 infrações em 2012.

Por outro lado, desde a descoberta dos crimes da célula de extrema direita Clandestinidade Nacional-Socialista (NSU, na sigla em alemão), no final de 2011, as autoridades alemãs estariam mais atentas aos movimentos radicais de direita. A única sobrevivente do trio terrorista, Beate Zschäpe, está sendo processada em Munique pelos delitos da NSU, que é acusada de ter matado dez pessoas entre 2000 e 2007 – oito delas de origem turca. Segundo o órgão de proteção da Constituição, o perigo do terrorismo de direita não está eliminado na Alemanha e a existência de outras estruturas ultraconservadoras seria "ao menos possível".

O número de passeatas da direita também diminuiu – de 167 no ano de 2011 para 95, no ano passado. Em 2012, diversos grupos de extrema direita foram proibidos, o que causou problemas de mobilização de tais grupos. Também o número de concertos de bandas com orientação de extrema direita diminuiu. De acordo com o BfV, as ativistas dos grupos de extrema direita se deslocam cada vez mais para a internet.

Verfassungsschutzbericht 2012 Friedrich und Maaßen 11.06.2013

O presidente do BfV, Hans-Georg Maaßen (esq.), e o ministro do Interior da Alemanha, Hans-Peter Friedrich

Extremismo de esquerda

Também o número de apoiadores do extremismo de esquerda diminuiu, mas o número de extremistas de esquerda propensos à violência continuou o mesmo em relação a 2011: 7.100 pessoas.

Por outro lado, o número de delitos com motivação de extrema esquerda caiu consideravelmente: de 4.502 em 2011 para 3.229 em 2012. Dessas infrações, 876 envolveram violência (em 2011 foram 1.157).

No entanto, o potencial de perigo ainda é alto, afirmou o BfV em seu relatório. Cada vez mais, grupos de extrema esquerda se mostrariam dispostos a praticar violência contra representantes do Estado, principalmente contra a polícia.

Grupos radicais islâmicos

Assim como em 2011, existiam 30 organizações islâmicas ativas na Alemanha no final de 2012. O meio, no entanto, aumentou consideravelmente: em 2012, foram contadas 42.550 pessoas; em 2011 esse número era de 38.080.

O órgão de proteção à Constituição vê no terrorismo islâmico um dos maiores perigos para a segurança interna da Alemanha. As autoridades observam que aumentou o movimento de viagem de pessoas consideradas radicais islâmicas da Alemanha para o Egito – com o objetivo de, a partir dali, seguir viagem para campos de treinamento terroristas.

O salafismo, o movimento reformista islâmico que defende uma volta aos valores tradicionais do Islã, é a vertente que mais cresce dentro do meio. Em 2012, foram contados 4.500 apoiadores do salafismo – em 2011 eram 3.800. No ano passado, o ministro do Interior Hans-Peter Friedrich proibiu a organização salafista Milatu Ibrahim.

O relatório avaliou ainda a atuação dos serviços secretos estrangeiros na Alemanha. Principalmente as agências de inteligência da Rússia e da China estariam atuando no país, disse o BfV. Um papel importante é exercido pelos ataques eletrônicos a sistemas de computadores de órgãos públicos e firmas, ou seja, ciberataques direcionados com o objetivo de espionagem de informações ou sabotagem de redes. Em 2012, o governo alemão registrou 1.100 ataques a suas redes.

Reforma de base

Entre os políticos alemães, o relatório do BfV polarizou as opiniões. O secretário-geral da União Democrata-Cristã (CDU, na sigla em alemão), o partido da chanceler (primeira-ministra) Angela Merkel, explicou que o relatório mostrava claramente "a diversidade de ameaças que enfrenta nossa democracia", mostrando "como são importantes órgãos de segurança fortes."

Quanto às exigências da extinção do Departamento Federal de Proteção à Constituição após as falhas nas investigações sobre a célula de extrema direita NSU, a CDU emitiu um "claro não". A líder da bancada parlamentar do Partido Verde, Renate Künast, falou de um "relatório vago" do serviço interno de inteligência, o que mostraria a necessidade de um reinício do BfV para "esclarecer o funcionamento das investigações no interior da Alemanha".

Thomas Opperman, deputado do maior partido da oposição, o Partido Social-Democrata, classificou o crescimento da disposição à violência como "preocupante". Ele afirmou, no entanto, que "não basta descrever o problema do extremismo" e disse que sentia falta de "uma reforma básica, que leve a uma mudança fundamental de mentalidade nas autoridades de proteção à Constituição."

CA/afp/dpa

Leia mais