Gripe aviária atinge parte continental da Alemanha | Europa | DW | 19.02.2006
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Gripe aviária atinge parte continental da Alemanha

País começa a sacrificar aves domésticas. Merkel diz que situação é séria. França confirma primeiro caso de H5N1 e manda vacinar 900 mil galinhas e gansos. Itália já sente conseqüências econômicas da doença do frango.

Cisne morto recolhido na Ilha de Rügen

Cisne morto recolhido na Ilha de Rügen

A gripe aviária, que chegou à Alemanha através da Ilha de Rügen, no Mar Báltico, já atinge o território continental do país, informou o Instituto de Saúde Animal, na Ilha de Riems, neste domingo (19/02). "A situação é séria", disse a chanceler federal alemã, Angela Merkel, que visitou Rügen neste domingo.

Segundo o instituto, em dois de cinco pássaros encontrados mortos em Rostock e Pomerância Ocidental foi detectado o vírus H5N1, que representa um perigo também para seres humanos. No total, já foram confirmados 81 casos de aves mortas pelo vírus no Estado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental.

Embora não ainda não tenha sido comprovado o contágio de aves domésticas na Alemanha, a Secretaria Estadual de Agricultura de Meklemburgo-Pomerânia Ocidental ordenou neste domingo a matança de patos e galinhas nas regiões mais atingidas da Ilha de Rügen.

O secretário Till Backaus disse que se trata apenas de uma medida de precaução. Toda a Ilha de Rügen foi declarada como "zona de proteção", por causa da gripe aviária. A Associação Alemã de Proteção aos Animais criticou a medida como "sinal de pânico" e disse que que afetará cerca de 10 mil aves.

Merkel promete ajuda

Bundeskanzlerin Angela Merkel auf Rügen Vogelgrippe

Merkel visitou a ilha atingida e prometeu ajuda federal

A chanceler federal alemã Angela Merkel, que visitou Rügen neste domingo, prometeu mais ajuda federal à região atingida pelo H5N1. Junto com a defesa civil, uma equipe especial de 19 soldados das Forças Armadas alemãs iniciou a desinfecção de veículos e pessoas que saem da ilha, para conter o alastramento do vírus a outras regiões do país.

A oposição criticou o envio de soldados a Rügen. "Isso é tarefa dos bombeiros e da defesa civil", disse o perito em assuntos agrários da bancada do Partido Liberal no Parlamento, Hans-Michael Goldmann. No final de semana, as autoridades de Meklemburgo-Pomerânia Ocidental foram acusadas de má administração da crise.

França e Itália

A gripe aviária já se alastra pela Europa. Na França, foi confirmado o primeiro caso, próximo a Lyon. Outras cinco aves encontradas mortas ainda estão sendo examinadas. O ministro francês da Agricultura, Dominique Bussereau, anunciou a vacinação de cerca de 900 mil galinhas e gansos, para impedir que a doença atinja granjas da região.

Na Itália, o Ministério da Saúde informou neste domingo que um pato selvagem encontrado morto no centro do país era portador do vírus H5N1 da gripe aviária. Foi o décimo caso da doença confirmado na Itália, um dos primeiros países da União Européia atingidos pelo vírus.

Conseqüências econômicas

Segundo a Confederação Italiana de Fazendeiros, sem ajuda do governo ou aumento das vendas de frango (que cairam em até 70%), milhares de fazendeiros irão à falência.

Com base em cálculos hipotéticos, o Intituto de Pesquisa Econômica (RWI) da Renânia do Norte-Vestfália prevê que uma epidemia de médio porte, causada pelo H5N1, provocaria uma recessão na Alemanha.

"Se 100 mil pessoas morressem e 300 mil fossem tratadas em hospitais, isso representaria um custo de 25 a 75 bilhões de dólares", disse o perito em saúde do RWI, Boris Augurzy, ao jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung. Até agora não foi registrado nenhum caso de H5N1 em humanos na Alemanha.

Leia mais