Graziano prevê que preços dos alimentos continuarão elevados | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 27.06.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Graziano prevê que preços dos alimentos continuarão elevados

Alto preço dos alimentos vai durar vários anos e causar problemas principalmente às nações pobres que necessitam importá-los, afirma o futuro diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva.

default

José Graziano defendeu biocombustível brasileiro

O próximo diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, apontou nesta segunda-feira (27/06) o elevado preço dos alimentos como um dos principais problemas a serem combatidos durante o seu mandato.

Numa entrevista à imprensa em Roma, um dia após ter sido eleito para o cargo, Graziano considerou que o preço das commodities agrícolas deverá permanecer alto nos próximos anos, causando problemas às nações importadoras.

"Este não é um desequilíbrio temporário (...) Enquanto não alcançarmos uma situação financeira mundial mais estável, os preços das commodities vão refletir isso", afirmou Graziano aos jornalistas.

O ex-ministro brasileiro destacou que a volatilidade nos preços das commodities agrícolas é o "pior aumento" que está ocorrendo nos mercados financeiros e manifestou o desejo de aumentar a ajuda da FAO às nações pobres que necessitam importar alimentos.

Defesa do biocombustível brasileiro

Responsável pelo programa Fome Zero, lançado durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, Graziano considerou que a biotecnologia é uma ciência importante, que não deve ser deixada de lado. No entanto, ele condenou o uso que tem sido feito dela até agora, por parte das multinacionais que possuem o monopólio sobre alguns tipos de sementes.

O novo diretor, que toma posse em janeiro de 2012, defendeu o biocombustível brasileiro ao compará-lo com o fabricado em outros países, a partir de grãos que fazem parte da alimentação diária básica, como o milho. "A cana de açúcar produzida, por exemplo, no Brasil para o etanol não entra em competição com a produção de grãos e não tem impactos ambientais", declarou.

Graziano foi eleito com 92 votos dos 180 votantes numa grande disputa com o ex-ministro espanhol do Exterior, Miguel Angel Moratinos, que recebeu 88 votos. A vitória do brasileiro ocorreu com o apoio principalmente dos países emergentes e do grupo G77, conhecido como países não alinhados, enquanto Moratinos obteve apoio dos países europeus.

A presidente da República, Dilma Rousseff, que já havia felicitado o candidato brasileiro pela sua eleição numa nota oficial emitida no domingo, voltou a afirmar nesta segunda-feira que o governo brasileiro dará todo o apoio ao mandato de Graziano à frente da FAO. Segundo Dilma, o triunfo de Graziano representa o reconhecimento das Nações Unidas à contribuição do Brasil na luta contra a fome.

AS/lusa/rtr/dpa
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais