Governo volta a divulgar dados completos da covid-19 | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 09.06.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Governo volta a divulgar dados completos da covid-19

Divulgação ocorre após determinação do Supremo Tribunal Federal. Ministério da Saúde publica números totais de casos e mortes em site que chegou a ser tirado do ar no fim de semana.

Jair Bolsonaro

Bolsonaro defendia mudança na divulgação dos dados

Após uma determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), o Ministério da Saúde voltou a divulgar nesta terça-feira (09/06) os dados totais sobre o número de casos e de mortes causadas pela covid-19. As informações foram publicadas na plataforma mantida pela pasta, que chegou a ficar fora do ar no sábado.

Desde sexta-feira, o ministério passou a divulgar apenas os números diários da doença e parou de publicar os dados consolidados da epidemia, como o total de mortes e casos de covid-19 no país. O Painel Coronavírus do Ministério da Saúde chegou a ser retirado do ar. Posteriormente, voltou mutilado, sem os números totais e desprovido de quase todas as suas ferramentas, como gráficos e tabelas.

A mudança causou uma série de críticas de políticos, juristas e entidades de saúde, que temiam uma manipulação dos dados com a diminuição da transparência. Partidos da oposição entraram com uma ação no STF para reverter a alteração. Na segunda-feira, o ministro Alexandre de Moraes determinou que o governo retome a divulgação dos dados acumulados.

O ministro considerou haver "grave risco de interrupção abrupta da coleta e divulgação" desses dados e determinou ao Ministério da Saúde que "mantenha, em sua integralidade, a divulgação diária dos dados epidemiológicos relativos à pandemia, inclusive no sítio do Ministério da Saúde e com os números acumulados de ocorrências, exatamente conforme realizado até o último dia 4 de junho".

Apesar de o ministério ter anunciado que estava desenvolvendo uma nova plataforma, os dados voltaram a aparecer no site já existente, onde são consolidados e divulgados os números fornecidos pelas secretarias estaduais sobre o avanço da epidemia. 

Antes de parar de divulgar os números totais, o Brasil teve dois dias consecutivos de recordes de morte por covid-19. Na quarta passada foram registrados 1.349 óbitos. Na quinta, 1.473. O Ministério da Saúde também atrasou até as 22h a divulgação dos dados nesses dias. 

A mudança foi confirmada e defendida pelo presidente Jair Bolsonaro. Ela foi o ápice de semanas de redução de transparência, que se intensificou depois da saída do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta e do aumento da influência militar na pasta. O governo também passou a atrasar propositalmente a divulgação de dados e dar ênfase a aspectos "positivos" da pandemia. 

Em reação à alteração feita pelo ministério, surgiram novos meios de monitoramento para tentar suprir a lacuna deixada pelo governo.

Os jornais O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e O Globo e os portais G1 e UOL anunciaram uma colaboração para coletar dados sobre a epidemia nos 26 estados e no Distrito Federal. Equipes desses veículos vão dividir tarefas, compartilhar dados e elaborar um balanço diário que será fechado às 20h.

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), que reúne os titulares das 27 secretarias de Saúde da federação, lançou no fim de semana o portal Painel Conass, que é atualizado todos os dias às 18h30 (horário de Brasília) – ou seja, bem antes do horário do governo federal, que empurrou na semana passada a divulgação de seu boletim diário para as 22h.

CN/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais