Governo e Farc chegam a novo acordo de paz | AMÉRICA LATINA | DW | 13.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Governo e Farc chegam a novo acordo de paz

Reunidos em Havana, negociadores alcançam novo consenso e mudam 56 dos 57 pontos do pacto inicial, rejeitado pela população colombiana em referendo em outubro.

Kolumbien Bogota Reaktion Bevölkerung auf Friedensabkommen (picture-alliance/dpa/L. Munoz)

Colombianos celebram novo acordo de paz alcançado em Havana

O governo colombiano e as Farc selaram neste sábado (13/11) um novo acordo de paz. Significativamente alterado, ele contém as contribuições dos setores contrários ao pacto inicial, assinado em setembro, porém rejeitado pela população no referendo de outubro.

Opinião: Na Colômbia, paz não será sem dor

Análise: Nobel dá nova chance à paz na Colômbia

O novo documento foi assinado pelos chefes negociadores do governo, Humberto de la Calle, e da guerrilha, Ivan Márquez (conhecido como Luciano Arango), após nove dias de intensas reuniões na capital cubana. O presidente Juan Manuel Santos disse que o acordo é de "todos os colombianos".

"Suas iniciativas [as dos opositores] contribuíram para conseguir este novo acordo, que agora é de todos", disse Santos em pronunciamento em Bogotá, horas depois de o novo acordo ter sido assinado em Havana pelos negociadores.

O governo colombiano e as Farc assinaram no dia 26 de setembro passado, em Cartagena, o acordo de paz concluído em agosto, no final de cerca de quatro anos de negociações em Havana para pôr fim ao conflito armado e à guerrilha mais antiga no continente americano.

No entanto, a maioria dos colombianos recusou o acordo no referendo de 2 de outubro, o que levou Juan Manuel Santos, que ganhou um Nobel da Paz por seus esforços, a convocar os líderes dos movimentos opositores para chegar a um consenso e resolver o processo de paz.

Kolumbien Präsident Juan Manuel Santos Rede in Bogota (Reuters/Colombian Presidency)

Santos discursa em Bogotá: esforço para chegar a consenso também com a oposição

Os ex-presidentes Andrés Pastrana (1998-2002) e Álvaro Uribe Vélez (2002-2010) foram as vozes mais representativas do "não" e apresentaram, na semana passada, a Santos um documento com 500 propostas de alterações, sobre as quais trabalharam as duas delegações de negociadores em Havana.

No total, foram feitos ajustes em 56 dos 57 temas abordados com os opositores e posteriormente colocados às Farc. O único ponto em que não conseguiram avanços, segundo reconheceu Santos, foi em "que os chefes guerrilheiros não poderiam ser escolhidos" para cargos públicos.

"Eu entendo que este é o sentimento de muitos cidadãos. Na mesa de Havana os negociadores do governo insistiram muito nesse ponto para responder a essa preocupação", afirmou o presidente.

No Twitter, o líder das Farc, Timoleón Jiménez "Timochenko", afirmou que "a paz está vencendo". "Realizamos nosso maior esforço por responder aos desejos de paz e cumprimos", disse o chefe insurgente, cujo verdadeiro nome é Rodrigo Londoño Echeverri.

Ele também afirmou que os colombianos, com suas organizações sociais e manifestações, "são os que devem referendar o acordo". Os guerrilheiros disseram que, no novo pacto, cederam até os limites do "razoável e aceitável".

As remodelações e novos elementos que contém o novo documento poderão ser consultados no site www.mesadeconversaciones.com.co, embora o acordo completo ainda deva demorar alguns dias para estar disponível.

Dezenas de colombianos se reuniram na Praça Bolívar, em Bogotá, para comemorar sob uma chuva intermitente o novo acordo. O "Acampamento pela paz", instalado há mais de um mês na praça, serviu de ponto de encontro.

RPR/efe/ots

Leia mais