1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Militares fardados disparam míssel Javelin
Brasil solicitou autorização para comprar 33 lançadores e 222 mísseis do sistema JavelinFoto: Ukrainian Defense Ministry Press Service/AP/picture alliance

Governo dos EUA libera venda de mísseis Javelin ao Brasil

10 de agosto de 2022

Sinal verde foi confirmado pelo Pentágono um dia após agência de notícias informar que parlamentares democratas vinham travando processo. Congresso americano deve analisar o negócio, mas não é necessária nova aprovação

https://www.dw.com/pt-br/governo-dos-eua-libera-venda-de-m%C3%ADsseis-javelin-ao-brasil/a-62762180

O Departamento de Estado dos Estados Unidos aprovou a possível venda de lançadores de mísseis antiblindado Javelin e equipamentos relacionados ao Brasil, por um custo estimado de 74 milhões de dólares (R$ 379 milhões).

A decisão foi comunicada pelo Pentágono ao Congresso americano nesta terça-feira (09/08), um dia depois de a agência de notícias Reuters informar que parlamentares democratas vêm tentando bloquear a venda devido a preocupações sobre o presidente Jair Bolsonaro e seus ataques ao sistema eleitoral brasileiro. 

Agora, o Congresso americano tem 30 dias para analisar o pedido e tirar dúvidas sobre o tema, mas não há necessidade de aprovação. A Câmara e o Senado podem editar uma resolução para se opor à venda, o que é improvável que ocorra, segundo um representante do Departamento de Estado. Em seguida, o governo brasileiro deve confirmar se procede com a compra.

O Pentágono afirmou que o Brasil solicitou autorização para comprar 33 lançadores e 222 mísseis do sistema Javelin. Fabricado pelas gigantes da defesa Lockheed Martin Corp e Raytheon Technologies Corp, o Javelin tornou-se uma das armas mais conhecidas do mundo devido ao seu sucesso contra tanques russos na guerra da Ucrânia.

O pacote aprovado inclui treinamento, simulações de uso do sistema e assistência técnica. "A proposta de venda melhorará a capacidade do Exército brasileiro de enfrentar futuras ameaças, ao elevar sua capacidade antiblindados. O Brasil não terá nenhuma dificuldade em absorver essa armas em suas Forças Armadas. A proposta de venda desses equipamentos e suporte não alterará o equilíbrio militar básico da região", afirmou o Pentágono.

Segundo a nota, a venda também contribui para apoiar a política externa dos Estados Unidos e seus objetivos de segurança, considerando o Brasil como "uma importante força para estabilidade política e progresso econômico na América do Sul".

Processo iniciado sob Trump

O pedido de compra dos Javelins ocorreu em 2020, em um momento de estreitamento dos laços entre os Estados Unidos e o Brasil sob então presidente Donald Trump e Bolsonaro. Em 2019, Trump designou o Brasil como um aliado de primeiro nível dos EUA fora da Otan, permitindo maior acesso a armas fabricadas por empresas americanas.

O acordo atravessou a era Trump e foi herdado por Biden, menos amigável com Bolsonaro do que seu antecessor republicano. Ainda assim, o Departamento de Estado de Biden havia dado no ano passado um aceno preliminar positivo à compra.

"Há aqueles dentro dos níveis de trabalho do Departamento de Estado que expressaram ressalvas a respeito desta venda, dadas as ações e a retórica de Bolsonaro e a certas ações dos serviços militares e de segurança do Brasil no passado", havia dito uma fonte do governo dos EUA à Reuters. "Tais preocupações não são compartilhadas entre autoridades do Departamento de Defesa nem pela liderança do Departamento de Estado."

Militares recebem carga de mísseis do tipo Javelin em aeroporto
Mísseis do tipo Javelin ficaram famosos devido ao seu sucesso contra tanques russos na guerra da UcrâniaFoto: Efrem Lukatsky/AP Photo/picture alliance

O Departamento de Estado então enviou a proposta de venda para uma revisão "informal" pelos dois democratas que presidem as comissões de Relações Exteriores do Congresso e os dois principais membros republicanos dos colegiados. Fontes do Congresso dizem que a questão não havia avançado até esta terça-feira devido às preocupações dos legisladores, incluindo o senador Bob Menendez e o deputado Gregory Meeks, colegas democratas de Biden.

Eles fizeram várias perguntas ao Departamento de Estado dos EUA, desde o histórico de direitos humanos de Bolsonaro até se o Brasil precisa de tais armas, de acordo com uma fonte do Congresso, sugerindo que querem pelo menos adiar a venda até depois das eleições de outubro no Brasil.

Em resposta aos parlamentares, o Departamento de Estado reconheceu que os mísseis Javelin não protegem contra qualquer ameaça específica que o Brasil enfrenta, disse à Reuters uma autoridade dos EUA. Mas o departamento argumentou que a tentativa do Brasil de atualizar sua capacidade antiblindados é legítima, acrescentou essa fonte.

A demanda por Javelins disparou desde o início da guerra na Ucrânia. Dessa forma, mesmo que o acordo seja aprovado pelo Congresso americano, pode levar anos para que Brasil receba os mísseis devido à lista de pedidos, com prioridade para outros parceiros dos EUA.

Preocupação com eleições

O governo Biden, ainda em alerta pela invasão do Capitólio por apoiadores de Trump em 6 de janeiro de 2021, ficou incomodado com os comentários de Bolsonaro sobre a eleição e enviados americanos a Brasília pediram cautela.

Em julho, em viagem ao Brasil, o secretário de Defesa americano, Lloyd Austin, pediu respeito à democracia em uma reunião com ministros de todo o continente. Antes disso, no ano passado, em uma visita ao Brasil, o diretor da CIA, William Burns, disse a assessores de Bolsonaro que o presidente deveria parar de minar a confiança no processo eleitoral brasileiro.

Represetantes de ONGs brasileira também se reuniram em julho com diplomatas do Departamento de Estado dos EUA e membros do Congresso americano para pedir que Washington reconheça rapidamente o vencedor das eleições presidenciais brasileiras em outubro.

bl (Reuters, ots)