Governo autoriza uso da Força Nacional na Terra Yanomami | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 14.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Governo autoriza uso da Força Nacional na Terra Yanomami

Território tem sido palco de conflitos armados entre garimpeiros e indígenas desde maio. Envio de agentes federais à região tem validade de pelo menos 90 dias.

Militares adentram floresta na Terra Indígena Yanomami em operação contra o garimpo ilegal de ouro

Soldados em operação contra o garimpo ilegal de ouro na Terra Indígena Yanomami

O Ministério da Justiça e Segurança Pública autorizou o uso da Força Nacional na Terra Indígena Yanomami, após uma série de conflitos armados entre garimpeiros e indígenas. A ordem assinada pelo ministro Anderson Torres foi publicada no Diário Oficial nesta segunda-feira (14/06) e tem validade de 90 dias, que são prorrogáveis.

O documento informou "o emprego da Força Nacional de Segurança Pública em apoio à Fundação Nacional do Índio [Funai] na Terra Indígena Yanomami, nas atividades e nos serviços imprescindíveis à preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, em caráter episódico e planejado, por 90 dias".

A Terra Indígena Yanomami é a maior reserva indígena em extensão territorial do Brasil e abriga oito etnias. A área possui 9,6 milhões de hectares e está localizada entre os estados de Roraima e Amazonas, nas margens do rio Uraricoera, em Alto Alegre.

A região tem sido palco de uma série de conflitos entre garimpeiros e povos indígenas desde 10 de maio. Tiros foram disparados na comunidade do Palimiú. De acordo com a Associação Yanomami Hutukara, ao menos cinco pessoas ficaram feridas, sendo quatro garimpeiros e um indígena. No dia seguinte, policiais federais também foram alvos de disparos. Lideranças indígenas afirmam que duas crianças, de 1 e 5 anos, morreram afogadas ao fugir dos garimpeiros.

Três cartuchos usados de arma de fogo na mão de um indígena yanomami

Resquícios do conflito de 10 de maio: yanomami apresenta três cartuchos que teriam sido disparados por garimpeiros

A Terra Indígena Yanomami é alvo de garimpo ilegal de ouro dede a década de 1980. E a comunidade do Palimiú, às margens do rio Uraricoera, faz parte da rota usada por garimpeiros para chegar aos seus acampamentos.

A organização Instituto Socioambiental do Brasil estima que 26.780 índios vivam na reserva indígena, e que cerca de 20 mil garimpeiros ilegais se infiltrem na região em busca de ouro, diamantes e outros minerais preciosos.

A Associação Yanonami Hutukara e o Conselho Distrital de Saúde Indígena (Condisi) alegaram que os conflitos foram motivados por uma barreira sanitária montada pelos indígenas para evitar a infecção pelo vírus causador da covid-19 e o avanço do garimpo ilegal na Terra Indígena Yanomami. Os indígenas estariam apreendendo materiais que seriam levados pelos garimpeiros até os acampamentos.

STF ordenou proteção

No final do mês, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o governo federal protegesse as terras indígenas – não apenas a Yanomami, mas também a Munduruku, no Pará, alvo de extração ilegal de madeira.

Com a decisão, o ministro atendeu a um pedido feito pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), pela Defensoria Pública da União e por organizações de direitos humanos e seis partidos políticos, que solicitaram a proteção aos indígenas citando um aumento de violência nas regiões e os riscos de transmissão da covid-19 nesses territórios.

Força Nacional

A Força Nacional de Segurança Pública é acionada quando um governo estadual requisita auxílio federal para conter atos violentos e ilegais que perigam sair do controle das forças de segurança locais. A corporação foi criada em 2004 pelo ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, sob o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Os agentes são notadamente utilizados para conter rebeliões em presídios ou em ondas excepcionais de violência, como foi o caso no Espírito Santo, entre fevereiro e abril 2017, devido à paralisação da Polícia Militar.

Em março de 2019, a Força Nacional teve sua primeira atuação internacional, quando 20 bombeiros especializados em busca e salvamento atuaram em Moçambique, após o país africano ter sido atingido por um ciclone. 

pv/ek (Lusa, ots)

Leia mais