Governadores alemães debatem proibição de partido extremista | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 18.12.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Governadores alemães debatem proibição de partido extremista

O suposto atentado da extrema direita a um delegado de polícia da Baviera reacendeu o debate em torno da proibição do Partido Nacional Democrata (NPD). Governadores alemães se reúnem em Berlim para discutir o tema.

default

Polícia suspeita que esfaqueamento seja ato de vingança

A investigação sobre o atentado a um delegado de polícia da Baviera, esfaqueado supostamente por um neonazista no último sábado, já levou às primeiras prisões na quarta-feira (17/12) em Munique. Um homem de 33 anos e sua esposa de 22 anos são acusados de cumplicidade na preparação do atentado.

A polícia suspeita que o esfaqueamento do delegado de polícia de Passau, cidade na fronteira entre Áustria e Baviera, seria um ato de vingança da cena de extrema direita. Uma comissão especial de 50 agentes investiga em toda a Alemanha, à procura do responsável pelo atentado. A pressão sobre a polícia é enorme e o caso já chegou aos mais altos escalões da política.

Mais uma vez, o debate em torno da proibição do Partido Nacional Democrata (NPD) é reaceso. Uma nova tentativa de proibição do partido de extrema direita foi o principal tema de uma conferência dos 16 governadores dos estados alemães nesta quinta-feira (18/12) em Berlim.

Esforços para combater o NPD

Alois Mannichl, den durch eine Messerattacke verletzten Passauer Polizeichef im Klinikum Passau

Delegado passa bem, informou polícia

Mas, desde o começo da conferência, os estados não se mostraram uníssonos quanto a uma nova tentativa de proibição do partido. Enquanto os estados de governo social-democrata se mostraram favoráveis a um novo pedido no Tribunal Constitucional Federal em Karlsruhe, os estados democrata-cristãos discordaram da idéia. A Baviera, governada pelos social-cristãos, foi um dos iniciadores da proposta.

A Baviera e a Renânia-Palatinado, estado de maioria social-democrata, não conseguiram impor sua proposta perante o grupo de governadores reunidos em Berlim. Kurt Beck, governador da Renânia-Palatinado, afirmou que todos os estados querem intensificar seus esforços para combater o NPD, mas um novo processo de proibição teria sido "bloqueado por alguns estados".

Instrumentos do serviço de inteligência

Pouco antes do início do encontro, o ministro alemão do Interior, Wolfgang Schäuble, já havia se mostrado cético quanto ao sucesso da proposta. "Ninguém tem interesse em iniciar um processo de proibição que esteja fadado ao fracasso", comentou. "Devido ao perigo que representa o NPD, não se pode garantir que o partido não será vigiado com instrumentos do serviço de inteligência", justificou Schäuble.

Devido ao grande número de informantes policiais infiltrados nos altos grêmios do NPD, o primeiro processo de proibição do partido de extrema direita fracassou no Tribunal Constitucional Federal em 2002.

Violento grupo neonazista

Symbolbild Passauer Messerattacke

Perigo do NPD justifica informantes secretos, diz Schäuble

Em Munique, o clima entre a população e a cena neonazista continua tenso. A população distribuiu panfletos advertindo para a existência de neonazistas na vizinhança. O homem de 33 anos detido pela polícia pertence a um violento grupo neonazista da capital bávara, como foi informado na página de internet do próprio grupo. Enquanto isso, os agentes da comissão especial procuram na Alemanha, na Áustria e na República Tcheca pelo homem que esfaqueou o delegado de Passau.

Em uma conferência de imprensa realizada nesta quinta-feira, a polícia de Passau informou que ainda não há pistas concretas. No hospital, o delegado recebeu visita do governador da Baviera, Horst Seehofer, e, segundo informações da polícia, ele está se recuperando bem.

Leia mais